Posts com Tag ‘SAÚDE’

Parte I

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.
more about “Ana Branco – Biochip – parte 1 de 2“, posted with vodpod

Parte II

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.
more about “Biochip – parte 2 de 2“, posted with vodpod

PARA COMPLEMENTAR AS INFORMAÇÕES DO VÍDEO

Biochip é um grupo aberto de estudo, pesquisa e desenho, que investiga as cores e a recuperação das informações presentes nos modelos vivos: hortaliças, sementes e frutos. A pesquisa Biochip encontra ressonância e analogia com a prática da Agricultura Ecológica em relação à Terra. Na agricultura convencional, quando uma lagarta come uma planta, ataca-se a lagarta para se defender a planta. Na prática ecológica, ao invés de se agir diretamhttps://samiraoni.wordpress.com/wp-admin/post.php?action=edit&post=494ente na planta, o que é trabalhado é a Terra, o ecossistema, a base onde a planta busca seus nutrientes. Quando o solo também está vivo, a planta pode buscar seus nutrientes com um mínimo de esforço, absorvendo nutrientes, já decompostos pelo metabolismo da Terra.Para recuperar a vida de um solo ácido, é necessário alcalinizá-lo. Isso é feito com o plantio de sementes e hidratação para que haja biogênese (geração de vida) e revitalização.

A diversidade das sementes não somente colabora com a alcalinização como amplia as possibilidades de trocas.Da mesma maneira, nosso corpo pode ser considerado um latifúndio, alcalinizado e reconectado através da revitalização e da recepção de informações que se ampliam diante da biodiversidade da vida, quando ingerimos alimentos vivos.As sementes, hortaliças e frutos crus, como são encontrados na natureza, são concentrados vivos de informações armazenadas – “biochip”.

Reconhecendo que essas informações podem ser decodificadas a partir do contato direto com os modelos vivos e que as cores geradas pela vida da Terra recuperam no nosso corpo informações matrísticas, isto é, relacionadas diretamente com a nossa origem enquanto mamíferos , foi organizada a proposta do Biochip que busca uma revitalização da relação humana com a natureza viva .Aos participantes da pesquisa são propostas experiências estéticas com esses modelos, a partir de investigações relacionadas com a forma, cor e sabor, que culminam na produção e ingestão de desenhos vivos.

Os materiais para o Desenho de Investigação podem ser rabanetes, cenouras, beterrabas, brócolis, quiabos, couve, tomates, etc . Os alimentos vivos, considerados como pigmentos para as composições, são coletados em hortas de cultivo orgânico onde acontecem as atividades do Biochip.

Cada participante recebe a indicação inicial de buscar as cores atraentes ao olhar, aromas e sabores interessantes ao paladar.A hortaliça recém-colhida está no máximo de sua vitalidade: as cores, sabores e informações são, ainda, originais.

Durante a colheita e o processamento, o participante tem seus sensores corporais ativados pelo contato com a terra e pelo ecossistema gerado por esse novo ambiente. Com isso, o organismo humano vai se preparando para receber o alimento.Cada participante, a partir do contato com a terra , com os modelos vivos e com os processos de coleta, lavagem e investigação das possibilidades formais que cada modelo desperta, organiza composições individuais com a matéria viva sobre suportes planos.Durante o Desenho de Investigação, o participante segue os vestígios das modificações geradas pela ação do corte, do tempo, do desencadear do processo de germinação, da mudança de temperatura, fermentação, desidratação, entre outras técnicas.É importante que, ao desenhar, sejam examinadas com atenção as maneiras como a cor e o sabor podem ser modificados pela forma e as surpresas geradas durante o processo.A soma dos desenhos individuais compõem um desenho maior, coletivo, sob a forma de mandala. Este é um desenho que aponta para o centro, usado como instrumento para evidenciar uma ordenação existente porém ainda desconhecida, tendo efeito reorganizador, tanto individual como coletivamente.Os processos e as descobertas são comentados, os sabores experimentados, as surpresas, as soluções geradas pelo corte e as novidades são incorporadas. Os participantes, então, oferecem seus desenhos e estes são saboreados.

A investigação através do desenho com modelos vivos proporciona uma experiência não somente para o nosso próprio universo afetivo visual , como também para o nosso próprio universo afetivo saboroso, impresso culturalmente tanto em nossos olhos como em nossa boca., conforme nos ensina H.Maturana.Reconhece-se a relação entre saber e sabor, palavras que têm a mesma origem.A revitalização das sementes é um aprendizado básico fundamental de recuperação do humano, substituindo-se um caminho de desconexão que carrega metáforas de guerra, ataque, defesa e amortecimento por uma atitude que prioriza a geração de vida como meio de aquisição de conhecimento.Propomos que as sementes sejam revitalizadas para que seu potencial seja expandido e a espécie humana recorde que o processo criativo é natural no ser vivo.Para promover a dinâmica desejada a essa aprendizagem foi construído os Laboratórios Itinerantes de Pesquisa do Aprendizado com Modelos Vivos 1 e 2. Constituidos por estruturas auto-tensionada de bambu e tecido, sem fundações, com um mínimo de obstáculos entre o interior e o exterior com a intenção de promover a liberdade e a permeabilidade com o entorno.Quando instalada, a estrutura sinaliza no ambiente a presença de grupos em atividade, além de circunscrever o espaço da ação, enfatizando o resultado do desenho coletivo.

A organicidade e a leveza do material com o qual a estrutura foi construída indicam a atitude necessária para a atividade, liberando comportamentos e expectativas. Os apoios e assentos estimulam uma postura leve e movimentação ativa do corpo, além de apontarem para a dinâmica da conexão do homem com a terra.Esses Laboratórios foram projetados para poder ser instalado em diferentes locais, que possuem saberes e sabores característicos, incorporando as variações do novo ambiente.O sistema construtivo utilizado baseou-se na metodologia de auto-construção e dá continuidade a uma linha de outros objetos em experimentação no campus da PUC Rio.O Laboratório Itinerante possibilita que a escola vá até onde o conhecimento se encontra, sublinhando e legitimando o saber local e lembrando que a informação existe além das fronteiras formais de aquisição de conhecimento. O Biochip faz parte das atividades desenvolvidas no LILD -Laboratório de Investigação em Living Design do Departamento. de Artes e Design da PUC-Rio.Nesse espaço são estimuladas metodologias e técnicas envolvidas no processamento com materiais vivos, aqueles que são encontrados na natureza, prontos para o uso, tais como bambu, argilas e sementes.

A proposta do Biochip é conseqüência das observações e estudos feitos durante as aulas da disciplina Convivências Multidisciplinares do Departamento. de Artes e Design e de experimentos com a comunidade na Bio-Oficina sem vestígios, no LILD. Nesses grupos são discutidas questões de fôrma e forma, como a variação da forma determina a alteração do sabor, a recuperação de informações através do contato direto com materiais capazes de estabelecer “pontes orgânicas”, questões de rompimento da informação a partir da perda da água molecular, desnaturação e eternização da forma e suas conseqüências no indivíduo e na sociedade.As idéias expostas se orientaram em conhecimentos gerados por estudiosos como: Norman Emersom, Lyall Watson, Rupert Sheldrake, Ann Wigmore, Nise da Silveira, Humberto Maturana, Lutzemberger, Nasser, entre outros.

FONTE: ANA BRANCO

Anúncios

CURSO ALIMENTAÇÃO PARA SAÚDE INTEGRAL - A ARTE SAGRADA DE VIVER

 

Venha expandir os conhecimentos e práticas

nas relações Alimentares.

Utilizando dos mais diversos e potenciais produtos que a Mãe

Natureza nos proporciona.

 

Ciclo Vivência Alimentação:

 

10:00 – Explanação dos materiais e preparo do Suco-do-Sol – Oficina de Germinados e Brotos.

11:00 – Oficina dinânima de pães intuitivos (assados em forno de barro), pestos, cremes e complementos.

12:00 – Almoço: Salada Orgânica, Sucos Regionais, Arroz Integral, Brotos, Surpresas…

13:00 –.Cine-Consciência – Documentário – “O Futuro da Comida”

15:00 – Reflexão estado sócio-ambiental da alimentação mundial – uma salto quântico

16:00 – Lanche e degustação com os Pães e complementos da Oficina anterior.

17:00 – Caminhada de re-conhecimento, dos jardins sensoriais do Instituto Refazenda.

18:00 – Entardecer e recolher.

 

Alimentação, em última instância, é a conseqüência do nível de consciência conseguido, é a capacidade de utilizar os elementos da natureza para beneficiar criativamente a própria vida ou para prejudicar o equilíbrio natural da superfície do planeta, afetando em largo prazo toda a existência de forma indireta e irresponsável.

Cada ação tem uma resposta que gera no todo uma reação na hora certa. Lembremos da sabedoria dos indígenas que tomavam todas as suas decisões pensando nas próximas 7 gerações.

Não existe uma resposta plenamente satisfatória quando se fala em alimentação ideal, o bom senso e o conhecimento do nosso organismo nos darão as respostas no andar do caminho.

Mas lembre-se que jamais teremos a consciência tranqüila se não nos esforçarmos para disseminar conhecimentos que se tem demonstrado benéficos para tantas pessoas. Sabemos que a saúde do mundo sofre amargas conseqüências de vícios e hábitos arraigados. É necessário, portanto, semearmos boas sementes, fazer o que for possível para esclarecer e orientar. (Juliana Faber & Luciana Kalil, 2006 – Alimentação Saudável, Acessível e Responsável.) 

 

Rafael de Rivera

Rafael de Rivera

www.rafaelderivera.wordpress.com 

Local: Instituto Refazenda

ENDEREÇO: Estrada de Genipaúba, Km. 12 – Vila São João Batista – Santa Barbara – Pára.

Como chegar (click aqui)

http://www.institutorefazenda.com

 

Alimentação saudável, acessível e responsável