Posts com Tag ‘Pontos de Cultura’

Posted on 21/02/2012 by 

Pontos de Cultura e MinC iniciam redesenho do Programa Cultura Viva

Após amplo debate com o os pontos e pontões de cultura, através da CNPdC, o movimento nacional de pontos de cultura, juntamente com o MinC, iniciaram o redesenho do Programa Cultura Viva.

Publicamos o teor do Ofício (e seu anexo) nº 60/GAB/SCC/MinC, de 15 de fevereiro de 2012 que traz várias orientações de como o processo será realizado com a participação dos pontos de cultura, além de solicitar indicação de cinco representantes dos Pontos e Pontões de Cultura que farão parte do Grupo de Trabalho do Redesenho do Programa Cultura Viva.

No Pará, os membros da CNPdC e a CPPC – Comissão Paraense de Pontos de Cultura estão iniciando providência para garantir uma ampla participação dos pontos de cultura neste diálogo.

Destacamos a importância da resposta pelos Pontos de cultura ao Questionárioenviado pelo MinC com cinco perguntas que já apontam para o redesenho que estamos fazendo sobre o Programa Cultura Viva.

Por Nilton Silva – representante titular do Pontos de Cultura do Pará na CNPdC.

Anúncios

LARISSA GUIMARÃES
DE BRASÍLIA

O Ministério da Cultura acumula cerca de R$ 60 milhões de pagamentos em atraso para Pontos de Cultura no país. Na cifra estão incluídos atrasos no pagamento de prêmios e editais, todos relacionados ao projeto.
Os pontos são locais selecionados pelo Ministério da Cultura para articular e impulsionar ações que já acontecem nas c omunidades.
A estimativa foi informada ontem à Folha pelo secretário executivo do MinC, Vitor Ortiz. Ele adiantou também que a programação de como será o pagamento dos valores em atraso será definida até meados de março.
O levantamento sobre os pagamentos atrasados do governo Lula ainda não foi concluído. “Os Pontos de Cultura são uma prioridade da gestão da ministra Ana de Hollanda”, disse Ortiz.
Do total, ao menos R$ 12 milhões se referem a SP. O MinC atrasou o pagamento de 200 Pontos no Estado.
Cada um deles deveria ter recebido, em dezembro, R$ 60 mil. Esses locais fazem parte de um convênio que reúne 300 Pontos de Cultura.
O atraso gerou protestos. Na semana passada, um grupo de 50 coordenadores de Pontos de Cultura foi a Brasília reclamar. O secretário executivo disse que o ministério tenta uma renegociação com produtores culturais.

Obs: desconfio que essa estimativa do Vitor Ortiz está bastante subestimada. Acho que a dívida é maior..

abs

Marcos Pardim


Lista Tuxáua – http://groups.google.com.br/group/listatuxaua?hl=pt-BR

Eu, Você, Todos Pela Paz!

Publicado: 24 de junho de 2010 em Geral
Tags:, , , ,

Fotos Renata Boniol

O Pontão de Convivência e Cultura de Paz do Instituto Pólis renovou seu convênio com o Ministério da Cultura para os próximos dois anos, podendo assim dar continuidade ao processo de articulação dos Pontos de Cultura e ampliar parcerias, potencializando as ações em rede. Uma das primeiras ações desse novo ciclo do Pontão foi entrar em contato com todos os membros dos pontos de cultura que articularam Rodas de Convivência e Cultura de Paz – Auscultas Socioculturais realizadas em 2008 e 2009 para participarem do Encontro de Ponteir@s Multiplicadores de Convivência e Paz, entre os dias 18 a 20 de junho em Bragança-Paulista, no estado de São Paulo.

Foram reunidos 28 ponteir@s de todo Brasil, que participaram das Rodas de Convivência realizadas nos anos de 2008 e 2009.

O intuito do Pontão foi proporcionar um compartilhamento de saberes, na perspectiva de uma construção coletiva e co-responsável para uma sociedade orientada pela prática do respeito, da solidariedade e dos valores da cultura de paz; e além disso pretendeu-se através da artemetodologia fundamentar ação-reflexão-ação, tendo como proposta instrumentar os participantes a transmitir valores, artes e saberes voltados para uma Cultura de Paz, que legitima o fazer e a cidadania culturais.

Por isso que o Pontão teve como forma de seleção pessoas que já tivessem desenvolvido ações que tivessem como tema a cultura de paz, e que pudesse participar deste encontro e potencializar a multiplicação de convivência e paz em seu território.

O dia 18 foi para recepcionar os ponteir@s que vinham de todos os cantos do Brasil. Eu em especial vim de Belém do Pará, meu vôo estava marcado para as 08:00hs da manhã, mas na hora de fazer check in à agente de viagem não encontrou meu nome que geralmente vem como Silva Samir ou Samir Silva, e ela não encontrou com nenhum dos dois, depois de mais de 30 minutos de procura ela resolveu me encaminhar a central da gool, onde esperei uma fila de mais 30 minutos, quando a outra agente achou meu nome ela disse que estava como Raoni Samir, a essa altura eram 09:00 hs em ponto, e não dava mais para eu embarcar no avião, ela me pediu desculpas e disse que ia me colocar no Vôo de 15:20 hs com chegada em São Paulo as 19:30 hs. Com essa situação em meu caminho não desanimei, fui para a internet e enviei um e-mail para o instituto pólis explicando o ocorrido e pedindo informações do que fazer, já que o ônibus ia sair do pólis com todos rumo a Bragança-Paulista as 16hs.

Wanda me ligou e disse que quando eu chegasse na pauliceia ia ter um taxista com uma placa pólis na mão, disse que ele ia me levar para a rodoviária do Tiete, e lá devia pegar um ônibus com destino a Bragança-Paulista, disse que assim que eu chegasse em Bragança-Paulista eu devia pegar um taxi para o Hotel Santo Agostinho. Fiz exatamente tudo que me foi instruído. No caminho que me levava para o encontro aos agentes da paz, meu olhar ia se deparando com tantas violências urbanas: transito violento, prostituição e frieza nos olhares perdidos da grande cidade composta de pitadas de solidão. Mas meu eu não buscava isso, eu tinha como margem de meu olhar outros olhares que transmitissem encanto e aconchego, e assim se desenhou aquele caminho, que já preparava meu espirito para esses três dias de trocas e lapidações dessa cultura de paz, pedra filosofal do nosso século.

Cheguei no Hotel Santo Agostinho por volta de 23:30 horas, me acomodei em meu quarto, e fiquei sabendo que as 19:30 hs havia acontecido a Ceia de Harmonia – A Paz é o Caminho, e para finalizar aquele ciclo de chegada e acolhimento foram brasear e aconchegar as moléculas na Fogueira da Paz que iniciou as 22hs e terminou as 23:30hs a hora que eu cheguei no hotel.

Deixei minhas coisas no quarto e fui cumprimentar todos os amigos e conhecer os outros participantes.

Veridiana providenciou algo para eu comer e depois fui dormir para no outro dia iniciarmos com a Apreciação Auscultatória I: Experiência Criativa e Expressão Poética, todos os momentos sempre regada com dinâmicas e muito encantamento. Toda essa magia proporcionou um envolvimento muito grande entre todos. O que estimulou muitos momentos iluminados por depoimentos e histórias de vida que deram novos tons em nosso papel de vida e registro dos dias que sempre nos tocam como tinta de vida pintando por onde passa a expressão que fala por todos os sentidos, com todo o sentir, permitir que a cultura de paz seja regada pelos jardineiros da paz.

Pela manhã iniciamos o encontro com a vivência Sentidos da Paz, dinâmica onde aio invés de falarmos de onde eramos, de qual ponto d cultura e o que fazíamos, fomos convidados a ficar 15 minutos em pleno estado meditativo, em silêncio, após essa canalização regada por frases de Dalai- Lama semeada pela oficineira Martha Lemos abrimos os olhos e fomos convidados a escrever uma palavra, frase, texto no bloco de anotações dado pelo pólis. Aqueles 15 minutos foi tão tocante, profundo para mim, pensei e respirei a existência o universo suas partículas de amor incondicional, invisível que quando olhei para a caneta e o papel a primeira palavra que me veio na mente foi silêncio, seguido dela uma frase se expressou em meus sentidos: O silêncio cura. Foi quando comecei a escrever o texto que segue em baixo:

“Silenciar as várias vozes para ouvir a voz traduzir o meu espirito.

Fechar os olhos para dentro de mim é desanuviar, é me reconhecer em minha ecologia interna, em meu conectar com aquilo que faz sentido (sistemicamente), tornando cada partícula oxigenada pela respiração em uma ecologia profundo, hoje minha, ontem sua”.

No seguir do  encontro os ponteiros falaram sobre tecnologias socioculturais de convivência e cultura de paz com enfase a transformação social, diversidade cultural e sustentabilidade em seu sentido amplo, vendo-a como sonho do bem-viver, como equilíbrio dinâmico com o outro e com o meio ambiente, semeando a harmonia entre os diferentes.

Levantamos nas auscultas socioculturais um consenso do caminho que devemos seguir para uma cultura de paz, e ele é aposto a todo e qualquer tipo de violência, opondo-se a tudo o que sugere desequilíbrio, competição, conflito, ganância, individualismo, domínio, destruição, expropriação e conquistas materiais indevidas e desequilibradas em termos de mudança e transformação da sociedade ou do ambiente. Assim, o que destacamos como valor da construção de uma cultura de paz no sentido mais generoso e amplo foi proporcionar uma nova maneira igualitária, livre, justa, inclusiva e solidária visando a união das pessoas na construção de seu mundo social, ao mesmo tempo em que lidam, manejam ou transformam sustentavelmente os ambientes onde vivem e que dependem para viver e conviver, e a cultura de paz deve ser uma semente regada por esses valores. Essa foi nossa ação coletiva desenhar sonhos possíveis para as Politicas de Paz.

Essa marginalidade que vivemos, no sentido de viver a margem de um sistema que exclui e que tem uma estrutura que precisa ser reinventada por todos que integram sua estrutura, nos propõe duas opções 1) a decisão pela mudança de paradigma indo ao encontro da uma cultura de sustentabilidade e paz; 2) uma padronização do pensamento, do comportamento e da forma negativista de lidar com essa atual crise que de percepção que vivemos nessa era. Esse é um assunto que deve estar sendo debatido em todos os lugares possíveis.

Devemos nos perguntar mais vezes: Qual cultura queremos de fato vivenciar? E o que fazer para obter mudanças nesses essenciais para essa Cultura de Paz?

Todas essas questões apontaram para alguns diagnósticos.

1)Que todo ponto de cultura é um Ponto de Paz

2)Que temos de ter como referência ao menos uma pessoa de cada ponto de cultura dos mais de 2500 existentes no Brasil para fazer esse intercâmbio de tecnologias sociais e desafios na promoção da cultura de paz.

3)Da necessidade da integração de uma Rede Nacional de Cultura de Paz, tendo em vista todos esses agentes já identificados na Rede de Pontos de Cultura, tendo como ponte o Gt de Cultura de Paz iniciado na Teia de 2008 que teve como primeira ação a criação de uma rede virtual com principio de gestão compartilhada que no primeiro momento colocou todos que participaram do GT de Cultura de Paz da Teia 2008, mas que agora com esse Encontro de Ponteiros de Convivência e Cultura de Paz que aconteceu em Bragança-Paulista vai ser incluso todos os participantes nessa lista http://groups.google.com.br/group/pontos-de-paz e o e-mail pontosdepaz@googlegroups.com.

Esses são temas que vem dentro de uma proposta de cidadania cultural e cultura de paz que tende a se fortalecer se levada em consideração os territórios.

O Instituto Refazenda participou do encontro representado pelo Samir Raoni, Gestor de Educação e Cultura que levou a Permacultura como tecnologia social geradora de uma cultura de paz, tendo sua vivência pratica como exemplo dessa cultura permanente através da

Valorização da natureza e tendo os princípios éticos da permacultura como matriz de nossas ações: cuidado com a terra, cuidado com as pessoas e partilha justa.

Destacando que o objetivo do instituto é exercer princípios de sustentabilidade, envolvendo os aspectos ambientais e suas repercussões econômicas, sociais e culturais.

E apresentando a missão do instituto que é sempre formar um exemplo vivo de um ambiente que trabalha de forma harmoniosa com a natureza. Tendo as 7 pétalas de desenvolvimento, sendo elas :

1. Manejo da terra e da natureza

2.  Espaço Construído 

3. Ferramentas e Tecnologia

4. Educação e Cultura

5. Saúde e Bem-Estar Espiritual

6. Economia e Finanças

7.Posse da terra e governo comunitário

Samir Raoni apresentou aos participantes os sete campos que norteiam todas as atividades do Instituto e são trabalhados através de consultorias, vivências, palestras, oficinas e principalmente através do exemplo, seja ele no dia-a-dia de cada integrante do Instituto ou na forma de ensino e aprendizado. Compartilhou que o Instituto Refazenda esta fortalecendo essa rede com os projetos do instituto, entre eles o Refazendo o Mundo Com Orgânicos, pois tais produtos trazem muitos benefícios sociais, medicinais e ambientais. Diz que essa é uma grande semente de uma cultura de paz, pacífica para buscar melhorias seja na cidade ou no campo. Pois todos nós, seres humanos, precisamos acreditamos que através do exemplo há uma maior possibilidade de alcançar nosso objetivo principal e, utilizando os princípios da Permacultura, buscamos ser um exemplo “vivo” e bastante prático, seja no consumo, na consultoria ou na produção de alimentos orgânicos, para que as pessoas não tenham receio de fazer parte dessa nova cultura que só traz benefícios para toda humanidade.

Em conversa com a equipe do Instituto Pólis, Samir vai ajudar na realização da Formação de Agentes de Paz – Compartilhando a metodologia de Convivência e Cultura de Paz através da ausculta sociocultural no Pará, prevista para o segundo semestre. Samir vai articular essa ação juntamente com os outros membro da Comissão Paraense de Pontos de Cultura, os outros Gestores do Instituto Refazenda e os movimentos sociais parceioros.

O mais interessante do encontro é que participaram diversos pontos de cultura do Brasil, tendo Rio Grande do Sul, Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro, Amazonas, Pará e São Paulo. Cada um desses estados tem vários agentes que nos seu cotidiano praticam a cultura de paz, trazendo para o encontro a memória e a história de suas comunidades, cada qual desenvolve uma tecnologia social para sua realidade bio-regional, através de uma ótica mais coletiva, solidária e participativa.

Serviço: Encontro de Ponteiros de Convivência e Cultura de Paz de 18 a 20 de 2010 em Bragança-Paulista, São Paulo

Objetivo: Visando fortalecer conceitos, valores, práticas, e métodos de convivência e cultura de paz tendo como participantes membros de Pontos de Cultura que participaram das Rodas de Convivência e Cultura de Paz – Auscultas Socioculturais, realizadas nos anos de 2008 e 2009.

O encontro foi a oportunidade de rever vários amigos como Mãe Beth de Oxum do Ponto de Cultura Coco da Umbigada(Olinda-PE), Lucimar Weil do Ponto de Cultura Pé Na Taba de Manaus (AM), Davy do Ponto de Cultura Campus Avançado de Niterói (RJ), Tim do Hip Hop (SP) e Veridia, Martha, Wanda e Hamilton do Pontão ded Convivência e Cultura de Paz (SP),  e conhecer outros como Marina Duarte do Pontão 7 cidades de Diadema(SP), Carla da Casa do Hip Hop e Jackson Burn do Ponto de Cultura Diversas (Porto Alegre), Alexandre Luiz do Ponto de Cultura Palavras Visiveis e Alê Scarpim.

Fotos: www.jacksonbrum.multiply.com

 

 A Organização Não-Governamental sem-fins-lucrativos Argonautas Ambientalistas da Amazônia, fundada em 14 de agosto de 1992, no campus da Universidade Federal do Pará, em decorrência da mobilização para a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, também conhecida como ECO-92. Com a finalidade de defender o meio ambiente e promover o desenvolvimento local sustentável, a cidadania e a democratização das relações sociais, humanas, econômicas, políticas e culturais da Amazônia, que ao longo de seus 17 anos, contribuíram para o meio ambiente e a qualidade de vida no Pará, estão com participação confirmada na Teia Brasil – Tambores Digitais, evento que vai reunir em Fortaleza (CE), entre 26 a 31 de março, 2.500 representantes de Pontos de Cultura participantes do Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – Cultura Viva.

 

Os Argonautas estarão com seus tripulantes (representante) participando de diversos momentos da Teia Brasil. Na Teia das Ações que acontecerá entre os dias 26 e 28, será uma excelente oportunidade para Pontos de Cultura e redes dos programas Cultura Viva e Mais Cultura compartilharem práticas e experiências vivenciadas; no Fórum Nacional de Pontos de Cultura, que acontece nos dias 29 e 31 de março, oportunidade para aprofundar o debate sobre políticas públicas voltadas à Cultura no país, com ênfase nos Pontos de Cultura, Programa Cultura Viva e Sistema Nacional de Cultura.  

 

Os Argonautas estão participando da Teia Brasil – Tambores Digitais com cinco representantes, colaborando nas mais diversas áreas.  

Samir Raoni, estará representando o Pontão de Cultura Rede Juvenil e Comissão Paraense de Pontos de Cultura, na Teia das Ações, Eixo-temático Cultura Digital, onde pretende contribuir com as discussões junto com com os Pontos e Pontões de Cultura da Amazônia que fazem parte do Fórum Amazônico de Cultura Digital. O Pontão de Cultura Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil realizou oficinas de Comunicação Comunitária: criação de Website Colaborativo, Web Rádio, WebTV, Edição de Jornais Comunitários em parcerias com Pontos de Cultura da RMB de Belém, de Marabá, Santarém e Marajó, e tem boas experiências para compartilhar com os Pontos de Cultura do Brasil. Essas ações são de fundamental importância para a inclusão digital e pedagógica dos povos amazônidas, além de ser estratégicos para os pontos de cultura que tem como filosofia o compartilhamento de conhecimentos relacionados ao uso do software livre e ferramentas de produção e comunicação digital, diz Samir Raoni. Após a Coordenação do Coletivo de Comunicação Compartilhada da Teia da Cultura Amazônica, que contou com a colaboração de inúmeros pontos de cultura e projetos socioculturais, Samir foi convidado a integrar a Equipe de Comunicação Compartilhada Teia Brasil – Tambores Digitais. Foram recebidas 175 inscrições de comunicadores de todo o país – ligados ou não a Pontos de Cultura. A comissão de seleção levou em conta critérios como distribuição regional, experiência em outras coberturas colaborativas, disponibilidade de tempo e de equipamento por parte dos inscritos.  Nilton Silva, irá pela Comissão Nacional de Pontos de Cultura – CNPdC, participar da terceira edição do Fórum Nacional dos Pontos de Cultura, que acontece de 29 e 31 de março, parte da programação da Teia 2010 – Tambores Digitais, espaço para que os Pontos possam se conhecer melhor e, ainda, para aprofundar o debate sobre políticas públicas voltadas à Cultura no país, com ênfase nos Pontos de Cultura, Programa Cultura Viva e Sistema Nacional de Cultura. Expressão legítima e organizada deste movimento da cultura brasileira, que apresenta para o conjunto da sociedade sua produção artística, pautas políticas, práticas pedagógicas, manifestações e expressões culturais. Participação decisiva para garantirmos que este processo seja reconhecido como Política de Estado, incorporado ao Sistema Nacional de Cultura e amparado em dispositivos legais que qualifiquem a gestão compartilhada de Políticas Públicas, como a proposta de construção da Lei Cultura Viva. José Maria, ira participar representando o GT Pontões e Redes da Comissão Nacional de Pontos de Cultura, que tem como objetivo a articulação e fortalecimento dos fóruns e redes estaduais de Pontos de Cultura e Fortalecimento de ações transversais em rede entre Pontos de Cultura de todo o país e principalmente o Diálogo sobre os desafios institucionais da gestão compartilhada das Políticas Públicas de Cultura entre o Estado e a sociedade civil. 

Luã Gabriel, estará como delegado representando o Pontão de Cultura Rede Juvenil e coordenador do Projeto, levando para a Teia – Tambores Digitais a metodologia de Desenvolvimento Local Amazônico que os Argonautas à mais de uma década aplica na Amazônia e o debate a cerca da execução de projetos na Amazônia, pontuando o Custo que tem realizar tais projetos.  Carlos Siqueira, estará como delegado representando o Ponto de Cultura Ananin, e coordenador do Projeto, onde irá participar dos Fóruns de discussões na Teia das Ações – Eixo Memória, onde pontos de memória de todo o país vão se reunir, de 26 a 28 de março, para o debaterem sobre o tema memória social, afim de apresentar e definir estratégias de ação, trocar idéias e experiências culturais. Na programação estão prevista mesa-redonda com o tema “O poder transformador da memória”, uma “Roda da Memória” – atividade com metodologia aplicada pelo Museu da  

Pessoa; e um momento em que será discutido o inventário participativo a ser desenvolvido pelos Pontos de Memória. 

A Teia das Ações pode ser considerada como uma zona de intersecção entre os pontos, facilitando e organizando as trocas e o aprendizado coletivos que o evento promete proporcionar, disparando reflexões e inspirando futuras ações estratégicas de continuidade.
Além da divulgação e circulação ampla das propostas, um documento-síntese será encaminhado ao ministro da Cultura Juca Ferreira, a fim de enriquecer as articulações em torno das políticas públicas de cultura do Brasil.Teia das Ações acontece na manhã do dia 26 (sexta-feira) e reunirá os cerca de 600 participantes inscritos nos 15 eixos-temáticos propostos.  No período da tarde, as redes iniciam seus encontros, afim de consolidarem relatórios a serem apresentados na manhã do dia 28 (domingo) e encaminhados ao Ministério da Cultura.
Espera-se também que deste diálogo surjam propostas que reforcem a necessária institucionalização dos Programa Cultura Viva e Mais Cultura como políticas de Estado no Brasil.
A abertura da
Eixos-temáticos
O Programa Cultura Viva fomenta diferentes ações e iniciativas, cujo objetivo maior é a formação contínua de redes para estabelecimento de novas relações sociais, não hierárquicas, e o fortalecimento, protagonismo e autonomia das organizações e agentes culturais.
Dentre elas, podemos citar o resgate da tradição oral (Ação Griô); a inclusão digital, fomento à pesquisa e formação de redes digitais (Cultura Digital); a produção e circulação de conteúdos livres (Mídias Livres); a valorização da cultura indígena a partir das suas próprias criações e produções (Redes Indígenas); o incentivo à sustentabilidade da cultura (Economia Viva); o aprofundamento da relação entre cultura e educação (Escola Viva) e cultura e saúde (Cultura e Saúde); o incentivo ao engajamento de jovens por meio de bolsas (Agente Cultura Viva) e a ampliação das possibilidades de intercâmbio artístico tem incrementado a divulgação das obras produzidas (Interações Estéticas).

Será uma mostra da diversidade e da pluralidade da cultura regional

Está tudo pronto para a Teia da Cultura Amazônica, o primeiro grande encontro regional de pontos de cultura da Amazônia. O evento tem 140 participantes inscritos: 79 do Pará; 24 de Rondõnia, 21 de Roraima, 7 do Acre, 6 do Amazonas e 3 do Amapá. A Mostra Artística contempla  a pluralidade e a diversidade da cultura regional e vai envolver mais de 300 participantes em cena.

Vários pontos de cultura que vão participar da Teia foram selecionados em editais estaduais nos últimos dois anos. No Pará foram selecionados mais sessenta pontos que passam a integrar a rede de pontos e pontões de cultura, agora formada por 79 integrantes.  Durante os quatro dias serão realizadas rodas de diálogos, oficinas e painéis temáticos pautadas na organização e na agenda sociopolítica do movimento de prontos de cultura, como a Lei Cultura Viva, a mobilização pela aprovação da PEC 150 (Projeto de Emenda Constituição que destina mais recursos para a Cultura) e sobre o “custo amazônico” proposta que busca estabelecer um diferencial positivo para o financiamneto das políticas públicas realizadas na região. No Fórum Amazônico de Pontos de Cultura serão debatidas propostas para a Teia Brasil 2010, que acontecerá em Fortaleza-CE no periodo de 25 a 31 de março. Nos fóruns estaduais de pontos de cultura será discutida a organização interno do movimento em cada estado e eleitos os representantes estaduais para a CNPdC – Comissão Nacional de Pontos de Cultura. No encerramento estão previstas oficinas e rodas de diálogos focadas no fortalecimento da açõe em rede do movimento.

As programações completas da Teia da Cultura Amazônica (Fórum e a Mostra Artística), podem ser acessadas no site http://teiamazônica.wordpress.com, criado para acolher as publicações colaborativas dos participantes da Teia e do movimento de pontos de cultura da Amazônia.

SERVIÇO:

Durante os quatro dias de realização da Teia serão realizadas mostras artísticas abertas ao público (ver programação em http://teiamazônica.wordpress.com). Nos dias 4 e 6 os interessados em acompanhar a mostra devem retirar convite na SECULT (Avenida Magalhães Barata, 830- São Brás) ou diretamente no Parque dos Igarapés (Conjunto Satélite WE 12 Nº 1000, Administração sala B, bairro do Coqueiro).

No dia 5 a programação será realizada na Praça da Bíblia, em Ananindeua (Cidade Nova 2).  No dia 7 a programação de encerramento será na Roda de Carimbó do Ponto de Cultura Iaçá (Trav. Lomas Valentinas, 1080 (enntre Marquês de Herval e Visconde de Inhaúma) Bairro da Pedreira, a partir das 16h, com ingresso a R$ 3,00.

Fonte: Teia dta Cultura Amazônica

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

O I Encontro de Tecnologias Socioculturais de Pontos de Cultura realizado pelo Instituto Polis nos dias 30 de Novembro e 1 de Dezembro Reuniu representantes de Pontos de Cultura do Pará, Bahia, Rio de Janeiro, Recife e São Paulo.

A realização do Seminário de Tecnologias Socioculturais promoveu a criação de uma nova cultura de participação para o desenvolvimento sustentável, por meio das trocas de experiências e saberes em tecnologias socioculturais, e da articulação entre os Pontos de Cultura na difusão dos produtos culturais produzidos por eles, para se apropriarem das tecnologias socioculturais a partir de suas práticas, para uma convivência com princípios claros que potencializam ações de resistência, de interculturalidade e de construção de paradigmas.

Para isso, durante dois dias, contamos com a participação de especialistas em Tecnologias Sociais/Culturais (Socioculturais), bem como de pessoas que atuam nos Pontos de Cultura. Estiveram presentes gestores de instituições públicas e privadas, lideranças comunitárias, empreendedores sociais e de organizações de pesquisa. A metodologia contemplou a experiência e as formulações, as auscultas socioculturais e o conceito de ‘desenvolver-se com arte’ (criado pelo Instituto Pólis e apropriado pelo Pontão de Convivência e Cultura de Paz).

Considerando o cenário artístico e cultural para o desenvolvimento das reflexões; os debates foram permeados por apresentações artísticas e culturais (roda de histórias, cirandas, expressões artísticas, testemunhos, experiências poéticas, etc). O evento contou também com a exposição de produtos artesanais manufaturados.

O objetivo deste seminário foi estabelecer parâmetros conceituais para a compreensão das Tecnologias Socioculturais existentes, ou em construção, integrando diferentes saberes e apresentando publicamente experiências inovadoras. O Seminário proporcionou e potencializou a troca de informações e conhecimento entre as tecnologias desenvolvidas pelos Pontos de Cultura, entre lideranças regionais e instituições que trabalham com Tecnologias Sociais numa perspectiva de promoção do desenvolvimento.

Roda com artistas e colaboradores do GAM 

  O Ponto de Cultura Galpão de Artes de Marabá, em parceria com o Instituto Transformance, Pontão de Cultura Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil e Movimentos Culturais, realizaram de 22 a 26 de Setembro nos Municípios de Parauapebas, Eldorado dos Carajás e Marabá, o I Fórum Rios de Encontro da Cultura Solidária da Região Carajás, que transformou a região durante 05 dias na capital cultura do Estado, reunindo inúmeras entidades que desenvolveram na região atividades artísticas democratizando a cultura em nosso Estado.Durante os 05 dias de atividades que se iniciaram no Município de Parauapebas com abertura, a Caravana da Cultura Solidária realizou inúmeros cursos e oficinas na cidade, durante os dias 22 e 23, reunindo centenas de participantes em inúmeras ações como oficinas de teatro, dança, artes visuais, dentre outras, levando assim a arte e a cultura para toda comunidade.

No dia 24 a Caravana da Cultura solidária aportou no município de Eldorado dos Carajás, realizando ações artísticas, culturais e tecnológicas, o Pontão de Cultura Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil ministrou oficinas de audiovisual, construção de Blogs, Radio Web e fez documentário do Fórum.

Oficina de Web 2.0 - A Internet Colaborativa

Oficina de Web 2.0 - A Internet Colaborativa, Infocentro Bairro Independência, Marabá

A oficina Web 2.0 Blog – A Internet Colaborativa, ministrada por Samir Raoni foi realizada em Eldorados do Carajás no Infocentro do Assentamento 17 de Abril, já a oficina de Web Rádio, ministrada por Nilton Silva aconteceu na Casa da Juventude Camponesa do Assentamento 17 de Abril. E nos dias 25 e 26, a Caravana do Fórum Rios de Encontro, chegou ao seu destino final, o município de Marabá, onde foram realizadas mais de 30 atividades artísticas e culturais, que aconteceram nos Bairros do Cabelo Seco, São Felix e Liberdade, cumprindo assim o seu papel de levar arte e cultura para os bairros mais afastados do centro da cidade.

O evento teve como objetivo abraçar reflexões, ações e intervenções para celebrar a cultura e as linguagens artísticas como caminhos essenciais de transformação social e pessoal, motivando assim a criação de políticas públicas para a cultura e educação, cultivando uma Rede de Cultura Solidária para fomentar o processo de desenvolvimento cultural da Região Carajás.

As atividades do fórum se encerraram na noite de sábado 26, com um grande encontro cultural na praça da Liberdade, onde inúmeros grupos culturais do bairro, organizados pela Biblioteca Ozana Lopes de Abreu, chamou atenção de centenas de pessoas que viram de perto as expressões artísticas do seu bairro, que foram aplaudidos e ovacionados pela comunidade presente no evento.

a-orla-no-bairro-francisco-coelho-recebeu-inumeras-atracoes-culturais

a-orla-no-bairro-francisco-coelho-recebeu-inumeras-atracoes-culturais

A Proposta do Fórum é inspirada no Fórum da Cultura Solidária que acontece na Villa El Salvador, na periferia da cidade de Lima, Peru, mobilizado pelo centro cultural Vichama Teatro. Hoje em sua quinta edição, mobiliza em torno de 30.000 pessoas, entre artista, educadores, associações comunitárias, intelectuais, grupos e produtores culturais, estudantes, crianças e jovens, que durante uma semana realizam seminários, oficinas, apresentações artísticas, cortejo cultural e cursos de formação nas comunidades.

Ver mais no Flickr>>>