Posts com Tag ‘Mús’

Imagem

Por Estúdio Lâmina

No próximo sábado, dia 08/12, a partir das 10H, o Estúdio Lâmina vai promover seu primeiro seminário para diálogar sobre o que vem sendo feito e pensado por artistas, produtores culturais, curadores, ativistas sociais, coletivos e galeristas em torno dos temas: patrimônio, memória e tecnologia social em rede. O ponto de partida que abrirá os diálogos sobre estas questões tão caras a nossa formação cultural será o mini-documentário ‘Mestres Carpinteiros Navais – conhecer para valorizar’, produzido pelo poeta, ator, e gestor cultural Samir Raoni, e, realizado em Vigia-Pará. Dois eixos temáticos irão nortear os debates que se seguiram após a apresentação do mini-documentário e cada um conduzido pelas experiências profissionais vividas por dois grandes artistas, articulares e realizadores da cultura contemporânea brasileira, Beto Brant e Baixo Ribeiro.

A produção audiovisual na formação da identidade e na valorização da memória cultural do Brasil será o eixo condutor para Beto Brant nos contar um pouco de sua trajetória cinematográfica na construção narrativa e ficcional que ele vem desenvolvendo em seus filmes a respeito da construção social, política e cultural do homem brasileiro.
Arte contemporânea, streat art e educação, será o ponto de partida para Baixo Ribeiro nos trazer as pioneiras contribuições que a galeria e o Instituto Choque Cultural vem realizando nos campos da promoção e difusão da arte urbana e suas contribuições na criação de novos processos educacionais.
Ao longo destes dias estaremos divulgando mais informações sobre nossos convidados e sobre os temas a serem dialogados neste seminário. Fiquem ligados!!!

Neste dia 20 de abril participaram da reunião Com Prof. Dr. Renato Padovese Pró- Reitor da Universidade Cruzeiro do Sul; Nilce Léa Lobato (SP), Samir Raoni (PA) e Profª Drª Rosemary (SP) Santiago na qual teve como objetivo apresentar pessoalmente e ouvir dos próprios autores sobre o “Projeto Memória Social em Rede: Histórias e Culturas do Espaço Rural e Urbano do Norte e Sul do Brasil”. Conversamos sobre a relevância da memória e sua metodologia para a formação dos alunos de licenciatura da universidade, apresentamos a Carta de Anuência do Ponto de Cultura Caiçara-Cananéia, litoral de São Paulo, zona rural e o vídeo-registro do Encontro dos dias 14 e 15. O Profº Renato parabenizou a iniciativa e  colocou a Universidade Cruzeiro do Sul como potencial apoiador e colaborador do Projeto Memória Social em Rede entre outras propostas apresentadas.

Para o bom resultado do projeto que vai acontecer nas Ilhas de Ananindeua e Quilombo do Abacatau e Baixo Acará do Pará e em Belém (NO) e em Cananéia espaço rural e São Paulo (SU) contamos com apoio da Profª Dra. Rosemary parceira e amiga nesta nova trajetória que iniciou na reunião.


Samir Raoni Documentarista e Pesquisador do Pólo Pará do BMR/Argonautas de Belém do Pará e Nilce Léa Lobato, Universidade Cruzeiro do Sul/CNPq participam da Formação em Tecnologia Social da Memória e Revolução Midiática – 16, 17 e 18/04 – Cananéia – SP, onde irão apresentar o projeto “Memória Social em Rede – Histórias e Cultura do espaço rural e urbano do Norte e Sul do Brasil”, projeto que tem como tema a memória social, que serão as histórias de vida de Jovens e adultos que residem em São Paulo/Cananéia e Belém do Pará/Ribeirinha e Quilombolas, zona urbana e rural. O objetivo é resgatar memória de vida dos jovens e adultos que residem nestas cidades a fim de remontar a trajetória e recompor o tempo passado – recordação dos acontecimentos políticos, econômicos e social. Identificar os impactos que a cultura e costumes gera na vida destas pessoas.

O projeto é fruto de uma parceria entre esses dois pesquisadores que tem como pano de fundo o estudo científico de “Histórias de vida de pessoas adultas não alfabetizadas: a memória social da não escolarização” realizado pela pesquisadora Nilce Léa, que realiza o estudo a três anos com adultos acima de 40 anos, e Samir Raoni, que realiza vários projetos com jovens estudantes de escolas públicas com idade de 14 a 22 anos, em parcerias com organizações e pontos de cultura que se relacionam com o Programa de Protagonismo Juvenil da ONG Argonautas, na qual é o coordenador, onde tem ministrado oficinas de Comunicação Compartilhada para a Produção de Memória Local através do Pontão de Cultura Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil.

Esta formação faz parte do projeto Prêmio Tuxáua Cultura Viva, lançado pelo Ministério da Cultura em 2009 e tem como proposta a mobilização e articulação de ações que reúnam representantes de diversos Pontos de Cultura, redes sociais e iniciativas de atividades que promovam o fortalecimento de laços e somem esforços na construção de objetivos comuns. Visando isso, o Ponto de Cultura “Caiçaras” – Cananéia/SP, querem compartilhar sua experiência com os demais Pontos do Vale do Ribeira e tecer uma rede horizontal de iniciativas para fortalecer e potencializarmos suas ações.

O objetivo é articular e fomentar iniciativas individuais e coletivas de criação, produção e difusão de conteúdos relacionados com o registro de memória oral e histórias de vida, democratizando essas práticas como instrumento de visibilidade e fortalecimento da diversidade cultural e histórica do Vale do Ribeira e estimulando posturas e comportamentos sociais que permitam às comunidades viverem numa relação construtiva consigo mesmas e com seu meio, fortalecendo assim, suas identidades e dinâmicas culturais.

O Ponto de Cultura Caiçaras, através do Pontão de Cultura Brasil Memória em Rede/Museu da Pessoa e do Pontão de Cultura “Nós Digitais”, realizará um ciclo de formação para os Pontos de Cultura do Vale do Ribeira interessados em desenvolver e/ou aperfeiçoar projetos de registro de memória e histórias de vida e de conhecer e/ou aprofundar na discussão sobre uso de software livre.

A formação esta dividida em quatro módulos, dois sobre: “Tecnologia Social da Memória” e dois sobre: “Software Livre e Revolução Midiática”. O primeiro módulo será sobre “Tecnologia Social da Memória” nos dias 17 e 18 de abril (sábado e domingo) em Cananéia – SP. As datas dos próximos serão definidas junto aos participantes, para que tenhamos a participação de todos durante esse ciclo de formação.

Além disso, no dia 16 de abril (sexta-feira) será feita uma breve discussão sobre a situação atual dos Pontos de Cultura do Vale do Ribeira em relação a diversas questões, como: administrativas, financeiras, operacionais, etc, afim de apoiar as organizações que estão com dificuldades de iniciar seus projetos e fomentar a troca de experiências entre as que estão caminhando.

PROGRAMAÇÃO

Sexta-feira – 16 de abril

Chegada dos participantes
19h – Roda de prosa sobre situação geral dos Pontos de Cultura do Vale do Ribeira (gestão, comunicação, articulação, prestação de contas, tecnologias, etc)

Sábado – 17 de abril

08h – Café da manhã
09h – Curso de Tecnologia Social da Memória
13h – Almoço
14h – Curso de Tecnologia Social da Memória
19h – Jantar

21h – Mostra de Vídeo:

Agentes de Memória em Rede” (5min) – Pólo Pará BMR/Argonautas

O Grande Balé de Damiana” (15min) – Revelando os Brasis

22h – Apresentações culturais: Fandango Caiçara, Orchestra Sacinfônica e palco aberto

Domingo – 18 de abril

08h – Café da manhã
09h – Curso de Tecnologia Social da Memória
13h – Avaliação e encaminhamentos
14h – Almoço
Retorno dos participantes

Informações

E-mail: cleberbio@yahoo.com.br ou fernando@matimperere.com.br ou ligue para (13) 9114-0749 (Cleber), (13) 9777-0030 (Fernando) ou (13) 3851-3959 (Ponto de Cultura “Caiçaras”).

<br/>
<br/>
APRESENTAÇÃO<br/>
<br/>
Este projeto faz parte do Prêmio Tuxáua Cultura Viva, lançado pelo Ministério da Cultura em 2009 e tem como proposta a mobilização e articulação de ações que reúnam representantes de diversos Pontos de Cultura, redes sociais e iniciativas de atividades que promovam o fortalecimento de laços e somem esforços na construção de objetivos comuns. Visando isso, nós do Ponto de Cultura “Caiçaras” – Cananéia/SP, queremos compartilhar nossa experiência com os demais Pontos do Vale do Ribeira e tecer uma rede horizontal de iniciativas para fortalecermos e potencializarmos nossas ações.<br/>
<br/>
OBJETIVO GERAL<br/>
<br/>
Articular e fomentar iniciativas individuais e coletivas de criação, produção e difusão de conteúdos relacionados com o registro de memória oral e histórias de vida, democratizando essas práticas como instrumento de visibilidade e fortalecimento da diversidade cultural e histórica do Vale do Ribeira e estimulando posturas e comportamentos sociais que permitam às comunidades viverem numa relação construtiva consigo mesmas e com seu meio, fortalecendo assim, suas identidades e dinâmicas culturais.<br/>
<br/>
ATIVIDADES<br/>
<br/>
O Ponto de Cultura Caiçaras, através do Pontão de Cultura Brasil Memória em Rede/Museu da Pessoa e do Pontão de Cultura “Nós Digitais”, realizará um ciclo de formação para os Pontos de Cultura do Vale do Ribeira interessados em desenvolver e/ou aperfeiçoar projetos de registro de memória e histórias de vida e de conhecer e/ou aprofundar na discussão sobre uso de software livre.<br/>
<br/>
A formação foi dividida em quatro módulos, dois sobre: “Tecnologia Social da Memória” e dois sobre: “Software Livre e Revolução Midiática”. O primeiro módulo será sobre “Tecnologia Social da Memória” nos dias 17 e 18 de abril (sábado e domingo) em Cananéia – SP. As datas dos próximos serão definidas junto aos participantes, para que tenhamos a participação de todos durante esse ciclo de formação.<br/>
<br/>
Além disso, no dia 16 de abril (sexta-feira) faremos uma breve discussão sobre a situação atual dos Pontos de Cultura do Vale do Ribeira em relação a diversas questões, como: administrativas, financeiras, operacionais, etc, afim de apoiar as organizações que estão com dificuldades de iniciar seus projetos e fomentar a troca de experiências entre as que estão caminhando.<br/>
<br/>
PROGRAMAÇÃO (sujeita a alterações)<br/>
<br/>
Sexta-feira – 16 de abril<br/>
<br/>
Chegada dos participantes<br/>
19h – Roda de prosa sobre situação geral dos Pontos de Cultura do Vale do Ribeira (gestão, comunicação, articulação, prestação de contas, tecnologias, etc)<br/>
<br/>
Sábado – 17 de abril<br/>
<br/>
08h – Café da manhã<br/>
09h – Curso de Tecnologia Social da Memória<br/>
13h – Almoço<br/>
14h – Curso de Tecnologia Social da Memória<br/>
19h – Jantar<br/>
22h – Apresentações culturais: Fandango Caiçara, Orchestra Sacinfônica e palco aberto<br/>
<br/>
Domingo – 18 de abril<br/>
<br/>
08h – Café da manhã<br/>
09h – Curso de Tecnologia Social da Memória<br/>
13h – Avaliação e encaminhamentos<br/>
14h – Almoço<br/>
Retorno dos participantes<br/>
<br/>
Informações<br/>
<br/>
E-mail: cleberbio@yahoo.com.br ou fernando@matimperere.com.br ou ligue para (13) 9114-0749 (Cleber), (13) 9777-0030 (Fernando) ou (13) 3851-3959 (Ponto de Cultura “Caiçaras”).<br/>
<br/>
Cleber Rocha Chiquinho publicou em 08.Abril.10<br/>
cleberbio@yahoo.com.br

O GEPHOM – Grupo de Estudo e Pesquisa em História Oral e Memória da Universidade de São Paulo convida professores, pesquisadores e estudantes para a submissão de resumos para o 1º Simpósio de História Oral e Memória: Memória da Zona Leste de São Paulo, que acontecerá nos dias 22 e 23 de junho de 2010, na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP.
Serão avaliados os resumos sobre temas afins aos dois eixos temáticos do simpósio, remetidos até o dia:

Eixo temático “História e memória da Zona Leste de São Paulo”:
Movimentos sociais, história e política na Zona Leste de São Paulo.
Movimentos migratórios em São Paulo e na Zona Leste.
Patrimônio, memória, história e urbanização de bairros, de cidades e da Zona Leste de São Paulo.
Eixo temático “História oral, memória e fontes de pesquisa”:

Fontes orais: métodos de pesquisa e análise.
Memória, identidade e cultura.
História oral e história local.Instruções para a apresentação de propostas
Os interessados deverão enviar seus resumos, impreterivelmente até 05 de abril de 2010 [prorrogado para 12 de abril de 2010], para o e-mail gephom@gmail.com. Eles deverão conter de 400 a 500 palavras, incluindo, de forma não-esquemática: a) justificativa; b) objetivos; c) marco teórico; d) metodologia; e) resultados. Formatação: arquivo em word (.doc) 2003; Times New Roman; Tamanho: 11; Espaçamento: simples. Pede-se anexar uma nota biográfica resumida (máximo 4 linhas). O resultado da avaliação será divulgado a partir do dia 15 de abril de 2010, por e-mail e pelo website http://each.uspnet.usp.br/gephom/. Professores, pesquisadores e estudantes de pós-graduação com trabalhos aceitos serão alocados em sessões temáticas; estudantes de graduação participarão de sessões de comunicação de pesquisa.


Critérios de avaliação
· Os trabalhos serão avaliados pela Comissão de Avaliação, presidida pela coordenação do evento;
· Somente serão avaliados os trabalhos explicitamente referentes à temática do evento e que estiverem de acordo com as normas de prazo e formatação;
· Não será permitida a substituição de arquivo do resumo nem do texto completo.

Certificados
Serão emitidos pela organização do evento aos participantes que apresentarem trabalho e aos ouvintes que comparecerem a pelo menos 85% da programação.
Taxas de inscrição
– Ouvintes: até 30 de abril de 2010: R$ 10,00
após essa data: R$ 20,00
– Apresentadores de trabalho:
estudantes de graduação: R$ 20,00
estudantes de pós-graduação: R$ 50,00
Professores e pesquisadores: R$ 60,00

A taxa de inscrição dará direito à participação em todas as atividades do evento, aos cadernos de resumos e à emissão de certificado (conforme normas acima).
As inscrições para ouvintes já estão abertas.
Maiores informações:
GEPHOM – Grupo de Estudo e Pesquisa em História Oral e Memória
http://each.uspnet.usp.br/gephom/
gephom@gmail.com

    Foto 1: Samir Raoni falando da Importância do Portal Colaborativo para a Produção da Memória Local.

    O ENCONTRO DE ARTE-EDUCADORES que acontece dia 14 (hoje) e 15 de abril
    iniciou com uma Roda de Conversa sobre a experiência de Samir Raoni,
    que é Poeta e Arte-Educamor dos Argonautas, organização
    não-governamental que realiza 9 projetos no Pará e que tem feito
    parceria com a Universidade Cruzeiro do Sul e seu Programa de
    Extensão/Proeja, através do Pólo Pará do Brasil Memória em Rede, no
    qual é documentarista e pesquisador. O Pólo Pará do BMR e a
    Universidade tem dialogado deis de Agosto de 2009, através da
    Pesquisadora do CNPq Nilce Léa Lobato, que já realizou com o Samir
    Raoni cinco projetos, entre eles o Portal de Educação Compartilhada e
    Memória – CENTRO DE MEMÓRIA, espaço que Raoni e Nilce, idealizadores
    dos projetos que tem conseguido resultados inspiradores. O Portal
    Centro de Memória esta se tornando um espaço de troca de experiências
    entre educadores e alunos principalmente de Artes e Pedagogia que tem o
    apoio da Prof°. Dr. Rosema Santiago, parceira integral das iniciativas
    deis de sempre.

    Hoje 14 de abril, o Encontro de Arte-Educadores “O Papel do Portal
    Colaborativo na Produção da Memória Local iniciou com a fala do
    Pro-Reitor Dr. Renato Padovese sobre o Programa de Extensão da
    Universidade que agrega vários projetos, e tem o interesse de estimular
    os alunos a iniciação cientifica, após sua fala Rosemery falou do Pólo
    Arte na Escola que tem como missão incentivar o ensino da Arte por meio
    de formação contínua do professor do ensino básico, investigando e
    qualificando processos de aprendizagem. Após sua fala o palestrante
    convidado pelo Pólo Arte na Escola, Samir Raoni falou dos Argonautas
    Ambientalistas da Amazônia gestora do Pólo Pará do BMR que tem como
    objetivo fomentar o diálogo entre produtores, articuladores e usuários
    de conteúdos de memória para democratizar o uso e a prática da memória
    histórica do Pará. Raoni pontuou a importância das Universidades
    estarem fazendo parcerias com projetos sociais. Contou os resultados
    que essas parcerias tem emergido, no Pará a ONG é parceira da
    Universidade Federal do Pará, Universidade da Amazônia – UNAMA e
    Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, parcerias que tem
    permitido um trabalho de campo bem interessante entre as comunidades
    tradicionais: ribeirinhos, quilombolas e indígenas. É uma soma perfeita
    entre alunos/universidade e movimento social/comunidade fazendo uma
    troca que permite a vivência, o debate e a pesquisa, função social dos
    projetos e responsabilidade social das instituições. Exemplificou como
    essa experiência de Memória Social pode contribuir para o
    Desenvolvimento Local tendo as tecnologias de informação e comunicação,
    regada com o respeito bio-regional, pode trazer para a superfície novos
    olhares de fora para dentro e de dentro para fora, proporcionando um
    sentimento de pertencimento, resgate e transformação.

    Após citar o projeto, falar da transversalidade com os Programas de
    Extensão que foi exemplificado com vídeo-doc “Agentes de Memória em
    Rede” um dos resultados do Pólo Pará, Nilce Léa contextualizou como foi
    feito os cinco projetos, trazendo para o dialogo sua experiência
    enquanto aluna da universidade e pesquisadora do CNPq, que esta
    relacionado ao programa de extensão da Universidade Cruzeiro do Sul
    apoiador e incentivador destas ações realizadas colaborativamente por
    Nilce em São Paulo e Samir no Pará, provando a função pratica do Portal
    Centro de Memória. Nilce contou que ela e Samir se encontraram em
    Dezembro para escreverem um projeto para o Museu da Pessoa, hoje
    intitulado Memória Social em Rede – A Memória no Norte e Sul do País,
    um estudo comparativo que tem como foco de pesquisa jovens e adultos
    não alfabetizados e como plano de ação o meio Rural e Urbano de São
    Paulo e Cananéia (SP) e Ananindeua e Belém. Nilce conclui sua
    apresentação com fotos que narram a sua trajetória como pesquisadora em
    parceria com o programa de extensão.

    O programa de extensão com o apoio da coordenação do Proeja tem
    fortalecido bastante a parceria entre essas duas regiões tão distinta
    socioculturalmente, e que tem tantos pontos em comum para compartilhar
    contribuindo para o desenvolvimento local, humano.

    Foto 2: Samir Raoni, Argonautas / Pólo Pará BMR Entregando os livros João Batista – O Matiri da Luta Pela Reforma Agrária e a metodologia utilizada pela ong para gerir os projetos Desenvolvimento Local Amazônico – DELA, um dos resultado do projeto Pontão de Cultura Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil realizado pela ong, para Dr Renato, Pro-Reitor da Universidade Cruzeiro do Sul.

    Nilce Léa, PROEJA/CNPq falando dos cinco projetos realizados em parceria PROEJA/Universidade Cruzeiro do Sul e ARGONAUTAS/Pólo Pará BMR

    Pro-Reitor Dr. Renato falando do Programa de Extensão da Universidade Cruzeiro do Sul, parabenizando os projetos desenvolvidos em parceria e convidando os alunos para se informarem mais desse programa que tem iniciado cientificamente os alunos.

    Apresentação da História de Vida de Samir Raoni, apresentado por Nilce Léa, PROEJA/CNPq

    Participantes do Encontro de Arte-Educadores “ A Importância do Portal Colaborativo para a Produção de Memória Local

    Samir Raoni entregando o livro João Batista – O Matiri da Luta Pela Reforma Agrária, e a metodologia utilizada pela ong para gerir seus projetos, “Desenvolvimento Local Amazônico – DELA”, um dos resultado do projeto Pontão de Cultura Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil realizado pela ong, para Prof° Dra Rosemery Santiago, Universidade Cruzeiro do Sul.

    O Arte-Educamor Samir Raoni fazendo dinimica “Fortalecendo-se em Rede” com os educadores da Universidade Cruzeiro do Sul.

     

     A Organização Não-Governamental sem-fins-lucrativos Argonautas Ambientalistas da Amazônia, fundada em 14 de agosto de 1992, no campus da Universidade Federal do Pará, em decorrência da mobilização para a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, também conhecida como ECO-92. Com a finalidade de defender o meio ambiente e promover o desenvolvimento local sustentável, a cidadania e a democratização das relações sociais, humanas, econômicas, políticas e culturais da Amazônia, que ao longo de seus 17 anos, contribuíram para o meio ambiente e a qualidade de vida no Pará, estão com participação confirmada na Teia Brasil – Tambores Digitais, evento que vai reunir em Fortaleza (CE), entre 26 a 31 de março, 2.500 representantes de Pontos de Cultura participantes do Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – Cultura Viva.

     

    Os Argonautas estarão com seus tripulantes (representante) participando de diversos momentos da Teia Brasil. Na Teia das Ações que acontecerá entre os dias 26 e 28, será uma excelente oportunidade para Pontos de Cultura e redes dos programas Cultura Viva e Mais Cultura compartilharem práticas e experiências vivenciadas; no Fórum Nacional de Pontos de Cultura, que acontece nos dias 29 e 31 de março, oportunidade para aprofundar o debate sobre políticas públicas voltadas à Cultura no país, com ênfase nos Pontos de Cultura, Programa Cultura Viva e Sistema Nacional de Cultura.  

     

    Os Argonautas estão participando da Teia Brasil – Tambores Digitais com cinco representantes, colaborando nas mais diversas áreas.  

    Samir Raoni, estará representando o Pontão de Cultura Rede Juvenil e Comissão Paraense de Pontos de Cultura, na Teia das Ações, Eixo-temático Cultura Digital, onde pretende contribuir com as discussões junto com com os Pontos e Pontões de Cultura da Amazônia que fazem parte do Fórum Amazônico de Cultura Digital. O Pontão de Cultura Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil realizou oficinas de Comunicação Comunitária: criação de Website Colaborativo, Web Rádio, WebTV, Edição de Jornais Comunitários em parcerias com Pontos de Cultura da RMB de Belém, de Marabá, Santarém e Marajó, e tem boas experiências para compartilhar com os Pontos de Cultura do Brasil. Essas ações são de fundamental importância para a inclusão digital e pedagógica dos povos amazônidas, além de ser estratégicos para os pontos de cultura que tem como filosofia o compartilhamento de conhecimentos relacionados ao uso do software livre e ferramentas de produção e comunicação digital, diz Samir Raoni. Após a Coordenação do Coletivo de Comunicação Compartilhada da Teia da Cultura Amazônica, que contou com a colaboração de inúmeros pontos de cultura e projetos socioculturais, Samir foi convidado a integrar a Equipe de Comunicação Compartilhada Teia Brasil – Tambores Digitais. Foram recebidas 175 inscrições de comunicadores de todo o país – ligados ou não a Pontos de Cultura. A comissão de seleção levou em conta critérios como distribuição regional, experiência em outras coberturas colaborativas, disponibilidade de tempo e de equipamento por parte dos inscritos.  Nilton Silva, irá pela Comissão Nacional de Pontos de Cultura – CNPdC, participar da terceira edição do Fórum Nacional dos Pontos de Cultura, que acontece de 29 e 31 de março, parte da programação da Teia 2010 – Tambores Digitais, espaço para que os Pontos possam se conhecer melhor e, ainda, para aprofundar o debate sobre políticas públicas voltadas à Cultura no país, com ênfase nos Pontos de Cultura, Programa Cultura Viva e Sistema Nacional de Cultura. Expressão legítima e organizada deste movimento da cultura brasileira, que apresenta para o conjunto da sociedade sua produção artística, pautas políticas, práticas pedagógicas, manifestações e expressões culturais. Participação decisiva para garantirmos que este processo seja reconhecido como Política de Estado, incorporado ao Sistema Nacional de Cultura e amparado em dispositivos legais que qualifiquem a gestão compartilhada de Políticas Públicas, como a proposta de construção da Lei Cultura Viva. José Maria, ira participar representando o GT Pontões e Redes da Comissão Nacional de Pontos de Cultura, que tem como objetivo a articulação e fortalecimento dos fóruns e redes estaduais de Pontos de Cultura e Fortalecimento de ações transversais em rede entre Pontos de Cultura de todo o país e principalmente o Diálogo sobre os desafios institucionais da gestão compartilhada das Políticas Públicas de Cultura entre o Estado e a sociedade civil. 

    Luã Gabriel, estará como delegado representando o Pontão de Cultura Rede Juvenil e coordenador do Projeto, levando para a Teia – Tambores Digitais a metodologia de Desenvolvimento Local Amazônico que os Argonautas à mais de uma década aplica na Amazônia e o debate a cerca da execução de projetos na Amazônia, pontuando o Custo que tem realizar tais projetos.  Carlos Siqueira, estará como delegado representando o Ponto de Cultura Ananin, e coordenador do Projeto, onde irá participar dos Fóruns de discussões na Teia das Ações – Eixo Memória, onde pontos de memória de todo o país vão se reunir, de 26 a 28 de março, para o debaterem sobre o tema memória social, afim de apresentar e definir estratégias de ação, trocar idéias e experiências culturais. Na programação estão prevista mesa-redonda com o tema “O poder transformador da memória”, uma “Roda da Memória” – atividade com metodologia aplicada pelo Museu da  

    Pessoa; e um momento em que será discutido o inventário participativo a ser desenvolvido pelos Pontos de Memória. 

    A Teia das Ações pode ser considerada como uma zona de intersecção entre os pontos, facilitando e organizando as trocas e o aprendizado coletivos que o evento promete proporcionar, disparando reflexões e inspirando futuras ações estratégicas de continuidade.
    Além da divulgação e circulação ampla das propostas, um documento-síntese será encaminhado ao ministro da Cultura Juca Ferreira, a fim de enriquecer as articulações em torno das políticas públicas de cultura do Brasil.Teia das Ações acontece na manhã do dia 26 (sexta-feira) e reunirá os cerca de 600 participantes inscritos nos 15 eixos-temáticos propostos.  No período da tarde, as redes iniciam seus encontros, afim de consolidarem relatórios a serem apresentados na manhã do dia 28 (domingo) e encaminhados ao Ministério da Cultura.
    Espera-se também que deste diálogo surjam propostas que reforcem a necessária institucionalização dos Programa Cultura Viva e Mais Cultura como políticas de Estado no Brasil.
    A abertura da
    Eixos-temáticos
    O Programa Cultura Viva fomenta diferentes ações e iniciativas, cujo objetivo maior é a formação contínua de redes para estabelecimento de novas relações sociais, não hierárquicas, e o fortalecimento, protagonismo e autonomia das organizações e agentes culturais.
    Dentre elas, podemos citar o resgate da tradição oral (Ação Griô); a inclusão digital, fomento à pesquisa e formação de redes digitais (Cultura Digital); a produção e circulação de conteúdos livres (Mídias Livres); a valorização da cultura indígena a partir das suas próprias criações e produções (Redes Indígenas); o incentivo à sustentabilidade da cultura (Economia Viva); o aprofundamento da relação entre cultura e educação (Escola Viva) e cultura e saúde (Cultura e Saúde); o incentivo ao engajamento de jovens por meio de bolsas (Agente Cultura Viva) e a ampliação das possibilidades de intercâmbio artístico tem incrementado a divulgação das obras produzidas (Interações Estéticas).