Posts com Tag ‘marajó’

<!– @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } A:link { so-language: zxx } –>

Terminada a 1° Mostra de Cinema Marajoara que aconteceu de 24 a 27 de abril de 2010 no município de Cachoeira do Arari (Marajó-Pará), cidade que originou-se da freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira do rio Arari, cidade onde viveu o
escritor Dalcídio Jurandir a qual homenageou com o livro Chove nos Campos de Cachoeira e que abriga o Museu do Marajó, fundado em 1972 pelo padre italiano naturalizado brasileiro Giovanni Gallo no galpão onde funcionava uma fábrica de óleo, nos faz refletir o verdadeiro sentimento que nos move enquanto seres, produtores, pesquisadores, cineclubistas, realizadores, seres humanos. Os Argonautas Ambientalistas da Amazônia tem o prazer de enviar os resultados obtidos na 1° Mostra de Cinema Marajoara que aconteceu em homenagem ao aniversário do Padre Giovanni Gallo, que este ano completaria 83 anos no dia 27/04 e principalmente aos cachoeirenses-marajoaras.

Apesar de todas as dificuldades surgidas na mostra, os Edu-Comunicadores oficineiros Argonautas Samir Raoni, Higor Tohany e Helton Almeida aportaram em Cachoeira do Arari com mais 10 arte-educadores, oficineiros de projetos e organizações que iam desenvolver uma gama de ações no município, mas infelizmente a maior parte deles foram apenas para a abertura do evento e retornaram logo no dia seguinte, inclusive o curador da Mostra, que também estava representando o Governo do Estado, que justificou que precisava retornar a Belém por motivos de trabalho. Com a Mostra sem curador, os amigos da Produtora LUX Eduardo, Paulo e Miranda tiveram que assumir o barco de realização da Mostra para não decepcionar o público, a nós mesmos.

A programação previa exibir obras raras como as de Líbero Luxardo “Marajó- Barreira do Mar” e o lançamento dos documentários “O Ajuntador de Cacos” de Paulo Miranda – Lux Amazônia (exibido), “Sou teu Maninho – Um grito Marajoara” de Daniel Corrêa (exibido), selecionado no Projeto Revelando os Brasis e “O Glorioso” (exibido), produzido pela Castanha Filmes, com direção, fotografia e edição de Gavin Andrews e que contou com a participação da equipe de pesquisadores do IPHAN. Os Argonautas escreveram na mostra três produções realizadas no Arquipélago marajoara, “Agentes de Memória em Rede”, “Vozes Jovens da Amazônia” e “Comunicação Comunitária Marajó”, que infelizmente não foram exibidos no dia que deveria porque a secretária de cultura emprestou o data-show para alguém que não devolveu o equipamento para a realização dessa etapa da mostra.

Além da exibição dos filmes da Mostra, os Argonautas realizaram uma caravana de inclusão digital com oficinas de web 20, web-ativismo-digital e oficina de Elaboração de Projetos Socioculturais envolvendo e empolgando mais de 150 jovens no total das atividades oferecidas pelos educadores, o que demonstra o potencial pedagógico que a internet tem como tecnologia. A web 2.0 como ferramenta pedagógica contribui para a construção de conceitos, estimulando os jovens a se tornarem protagonistas de suas realidades, contribuindo para a manifestação sociocultural e estimulando o desenvolvimento local. Nesse sentido que os oficineiros avaliam que apesar de várias coisas não terem saído do jeito que foi combinado coletivamente entre os parceiros envolvidos, julgam positivamente suas ações que teve a participação empolgante dos jovens da Escola Estadual Delgado Leão.

Esperamos que na próxima ação possamos estar mais harmonizados enquanto grupo, praticando a solidariedade, o compromisso e a verdadeira transformação.

Confira as Fotos da Roda de Conversa, oficina de Web 2.0, Web-Ativismo-Digital, Elaboração de Projetos Socioculturais e Entrega de Certificados, realizadas pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a Roda de Conversa realizada pelos oficineiros da ONG Argonautas com 56 alunos do 1°, 2° e 3° ano do ensino médio da Escola Professor Delgado Leão em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a Caravana de Inclusão Digital realizada pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a entrega dos Certificados da Caravana de Oficinas realizadas pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).



Terminada a 1° Mostra de Cinema Marajoara que aconteceu de 24 a 27 de abril de 2010 no município de Cachoeira do Arari (Marajó-Pará), cidade que originou-se da freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira do rio Arari, cidade onde viveu o
escritor Dalcídio Jurandir a qual homenageou com o livro Chove nos Campos de Cachoeira e que abriga o Museu do Marajó, fundado em 1972 pelo padre italiano naturalizado brasileiro Giovanni Gallo no galpão onde funcionava uma fábrica de óleo, nos faz refletir o verdadeiro sentimento que nos move enquanto seres, produtores, pesquisadores, cineclubistas, realizadores, seres humanos. Os Argonautas Ambientalistas da Amazônia tem o prazer de enviar os resultados obtidos na 1° Mostra de Cinema Marajoara que aconteceu em homenagem ao aniversário do Padre Giovanni Gallo, que este ano completaria 83 anos no dia 27/04 e principalmente aos cachoeirenses-marajoaras.

Apesar de todas as dificuldades surgidas na mostra, os Edu-Comunicadores oficineiros Argonautas Samir Raoni, Higor Tohany e Helton Almeida aportaram em Cachoeira do Arari com mais 10 arte-educadores, oficineiros de projetos e organizações que iam desenvolver uma gama de ações no município, mas infelizmente a maior parte deles foram apenas para a abertura do evento e retornaram logo no dia seguinte, inclusive o curador da Mostra, que também estava representando o Governo do Estado, que justificou que precisava retornar a Belém por motivos de trabalho. Com a Mostra sem curador, os amigos da Produtora LUX Eduardo, Paulo e Miranda tiveram que assumir o barco de realização da Mostra para não decepcionar o público, a nós mesmos.

A programação previa exibir obras raras como as de Líbero Luxardo “Marajó- Barreira do Mar” e o lançamento dos documentários “O Ajuntador de Cacos” de Paulo Miranda – Lux Amazônia (exibido), “Sou teu Maninho – Um grito Marajoara” de Daniel Corrêa (exibido), selecionado no Projeto Revelando os Brasis e “O Glorioso” (exibido), produzido pela Castanha Filmes, com direção, fotografia e edição de Gavin Andrews e que contou com a participação da equipe de pesquisadores do IPHAN. Os Argonautas escreveram na mostra três produções realizadas no Arquipélago marajoara, “Agentes de Memória em Rede”, “Vozes Jovens da Amazônia” e “Comunicação Comunitária Marajó”, que infelizmente não foram exibidos no dia que deveria porque a secretária de cultura emprestou o data-show para alguém que não devolveu o equipamento para a realização dessa etapa da mostra.

Além da exibição dos filmes da Mostra, os Argonautas realizaram uma caravana de inclusão digital com oficinas de web 20, web-ativismo-digital e oficina de Elaboração de Projetos Socioculturais envolvendo e empolgando mais de 150 jovens no total das atividades oferecidas pelos educadores, o que demonstra o potencial pedagógico que a internet tem como tecnologia. A web 2.0 como ferramenta pedagógica contribui para a construção de conceitos, estimulando os jovens a se tornarem protagonistas de suas realidades, contribuindo para a manifestação sociocultural e estimulando o desenvolvimento local. Nesse sentido que os oficineiros avaliam que apesar de várias coisas não terem saído do jeito que foi combinado coletivamente entre os parceiros envolvidos, julgam positivamente suas ações que teve a participação empolgante dos jovens da Escola Estadual Delgado Leão.

Esperamos que na próxima ação possamos estar mais harmonizados enquanto grupo, praticando a solidariedade, o compromisso e a verdadeira transformação.

Confira as Fotos da Roda de Conversa, oficina de Web 2.0, Web-Ativismo-Digital, Elaboração de Projetos Socioculturais e Entrega de Certificados, realizadas pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a Roda de Conversa realizada pelos oficineiros da ONG Argonautas com 56 alunos do 1°, 2° e 3° ano do ensino médio da Escola Professor Delgado Leão em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a Caravana de Inclusão Digital realizada pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a entrega dos Certificados da Caravana de Oficinas realizadas pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Anúncios

Hoje 26 de abril os Argonautas continuam suas ações em Cachoeira do Arari que realiza a 1° Mostra de Cinema Marajoara parceria entre Museu do Marajó prefeitura Municipal de Cachoeira do Arari, Governo do Estado, Irmandade de São Sebastião, AMAM, ONG Argonautas, produtora LUX Amazônia entre outros, que privilegia filmes que tenham sido rodados no arquipélago e desenvolve rodas de conversas e oficinas de cine-ativismo-digital, web 2.0 – a internet colaborativa e cineclubismo.

Os Argonautas Samir Raoni, Higor Tohany e Helton Almeida de Belém do Pará realizaram hoje pela manhã Roda de Conversa com 56 alunos do 1°, 2° e 3° ciclo do ensino médio da Escola Professor Delgado Leão que se localiza no centro de Cachoeira do Arari, no bairro 7 de Setembro. Os jovens receberam os educadores com bastante receptividade participando da roda de conversa. As vivências em rodas são participativas e coletivas, que buscam identificar os principais desafios, experiências e poéticas dos grupos de jovens das escolas, comunidades e pontos de cultura. Através destas atividades serão identificados os conflitos e valores existentes, bem como formas e espaços de resolução através do diálogo e da convivência que permita um sentimento de pertencimento que gere Cultura de Paz. Na roda Samir Raoni, documentarista, poeta e arte-educamor falou do vídeo-doc que esta realizando com jovens principalmente de escolas publicas, pontos de cultura, comunidades ribeirinhas, quilombolas e indígenas, ‘Roda Vida Juvenil” – continuação/ampliação do projeto ‘Rodas de Memória Escolar’, realizado no ano de 2008 na escola Ulysses Guimarães na I Feira da Cultura Ambiental, em outubro do mesmo ano com o Pontão Cultura do Instituto Pólis, São Paulo, em Marabá em parceria com o Ponto de Cultura GAM. O vídeo-documentário vai refletir a MEMÓRIA JUVENIL tendo como eixos de pesquisa a família, a escola e a sociedade. O documentarista pretende montar através das narrativas das histórias de vida, como a escola tem colaborado para o processo de formação de cidadãos comprometidos e participativos do desenvolvimento social e cultural da nova geração. Esses vídeos-documentários tem o apoio metodológico do Museu da Pessoa, responsáveis pelo Pontão de Cultura Brasil Memória em Rede, projeto que sou pesquisador de histórias de vida e pretende ser exibido na 2° Mostra de Cinema Marajoara, enviado para as Escolas Publicas, Comunidades, Pontos de Cultura e Cineclubes.


Mais informações sobre esse projeto acesse: www.samiraoni.wordpress.com

Esse Vídeo-Arte-educacional é parte do projeto ARTE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UNINDO SABERES COMPARTILHANDO CIDADANIA – Projeto realizado pelo Coletivo Samaúma com o apoio da organização não-governamental sem fins lucrativos Argonautas Ambientalistas da Amazônia.O vídeo apresenta a peça SERES ANIMADOS em três comunidades de Soure, Marajó.

A peça reflete a problemática ambiental através de uma linguagem lúdica, com arte de circo, teatro e educação ambiental. “O objetivo do projeto Arte Educação Ambiental: Unindo Saberes, Compartilhando Cidadania é aflorar o desenvolvimento artístico, cultural e ambiental das comunidades de Soure, Marajó, gerando o desenvolvimento local para uma cultura de paz que resgate e fortaleça a memória dos povos tradicionais, gerando renda através do ecoturismo e dos saberes populares, Explica Samir Raoni, cordenador de Cultura de Paz do Projeto, em entrevista para o Portal Rede Teatro da Floresta”

Um desdobramento dessa experiência é produção de um vídeo documentário Arte Educacional que tem por objetivos resgatar a memória tendo por base a metodologia consagrada no projeto “Brasil Memória em Rede”. Os resultados esperados são: a) Comunicar as realidades das três comunidades envolvidas; b) Demonstrar a Arte Educação Ambiental como alternativa de transformação social; c) Ajudar na divulgação para conseguir apoios para a continuidade desse trabalho, que em seu plano prevê oficinas de inclusão digital, fotografia, memória, teatro, artes circenses, confecção de brinquedos educativos, arte-reciclagem, artesanato e iniciação a Permacultura, conclui Rafael de Rivera, cordenador Pedagógico do Projeto em entravista para a Rede Teatro da Floresta.

MISSÃO

O Coletivo Samauma vem aprofundando suas raízes para três desafios; 1) despertar o valor da educação nas comunidades onde atua, usando a arte como instrumento; 2) contribuir para o desenvolvimento sócio-ambiental e cultural, valorizando a diversidade e a memória social; 3) Promover a Arte Educação Ambiental Transdiciplinar através da visão de Ecologia Sistêmica baseada na Permacultura. Mais informações sobre os samaumeiros acesse: http://www.samauma.wordpress.com

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.