Posts com Tag ‘google’

“Para estar em conformidade com a política de segurança do governo norte-americano, o Google criou backdoords no sistema de contas do Gmail. Justamente foi essa a funcionalidade explorada pelos hackers chineses para obter acesso.

(…) Sistemas assim são um convite para que sejam cometidos exageros de todo tipo: como exploração criminosa, abusos do governo e distorções justificáveis apenas por uma lógica tortuosa. – U.S. enables Chinese hacking of Google, CNN. Por Bruce Schneier.

Desenvolvedores de software, prestadores de serviços on-line e fabricantes de hardware, todos os grandes, de uma forma ou de outra oferecem algum suporte a “bisbilhotice oficial” (leia a matéria da CNN para alguns exemplos — cautelosamente as opiniões expressas na matéria são atribuídas exclusivamente ao autor).

Acesso a “portas do fundos” podem ser fornecidos mediante requisição de governos, mas também ficam suscetíveis a exploração não autorizada  – fabricantes de equipamentos de comunicação como a gigante Cisco, inclusive documentam a existência desse recurso em seu sistema operacional de dispositivos, o IOS.

Mas não pense que o governo americano está sozinho nessa. Governos democráticos ao redor do mundo (ex: Suécia, Canadá, Reino Unido) hoje trabalham para construir bases legais que proporcionem a agentes oficiais recursos para bisbilhotar a vida das pessoas na Internet.

No Brasil iniciativas semelhantes estão em curso através de propostas no legislativo nas esferas estadual e federal. A mais emblemática de todas é aquela conhecida como “Lei Azeredo” que encontra-se em fase de aprovação no senado federal.

Cabe um último registro. Uma das poucas formas ainda disponíveis para indivíduos e instituições manterem o controle sobre o sigilo de suas comunicações está na adoção de software livre (de código fonte aberto e licença livre) e criptografia baseada nesse tipo de tecnologia.

Comments: Be the first to comment

Qual é a do Google agora?

Publicado: 30 de dezembro de 2009 em Geral
Tags:, ,

Na semana passada, o Google, o gigante cool da internet, lançou na rede a primeira versão de testes de seu sistema operacional, o Chrome OS. Anunciada em julho deste ano, a iniciativa de produzir um concorrente para o Windows criou enorme expectativa na comunidade do software livre. Isso porque o Google já anunciou de cara que o programa será baseado no Linux. Muita gente dos blogs de tecnologia comemorou a novidade, profetizando que o sonho da derrubada do monopólio de Bill Gates pelo sistema livre estaria próximo de virar realidade.

A euforia com o novo sistema, no entanto, começou a ruir com o lançamento da versão alfa para os usuários. Difundido via torrent (tecnologia livre de transferência de dados), o ChromiumOS (nome da versão preliminar) começou a pipocar nos mesmos blogs e as primeiras impressões não foram lá das melhores. Quem imaginou um sistema que possa fazer frente ao Windows ficou decepcionado. E, além disso, os primeiros testes despertaram um espírito crítico em relação à postura do Google para com seus usuários.

Afinal de contas, o que é o ChromiumOS? Tomado por essa curiosidade, resolvi baixar o torrent e rodá-lo no meu computador. Quem se interessar, pode aprender como fazer neste tutorial (se não tiver alguma experiência, mesmo que pouca, com computadores, não faça isso em casa).


O sistema operacional do Google foi pensado para funcionar exclusivamente sob conexão com a Internet. Foi designado, ainda, para netbooks, os computadores pessoais ultraportáteis, com telas de 8 a 10 polegadas. O pessoal do ChromiumOS pensa neste tipo de máquina exclusivamente como um portal de entrada para a rede. Assim, quando você ligar o computador (imagem acima), ele já pede de cara seu login e sua senha de acesso aos serviços do Google (Gmail, Orkut, Agenda, Maps, Picasa, Blogger, YouTube, Docs, Reader e Grupos).


Pois bem, você entrou com sua senha? Tem então acesso a todos estes serviços automaticamente. O sistema não tem janelas, menu iniciar, ícones ou coisas que estamos acostumados em nossos tradicionais desktops. Tem apenas um navegador, que ocupa toda a tela do PC, por onde o usuário navega na rede (imagem 2). Sim, esta é a única opção a que você tem direito: navegar na internet. Tudo o que você venha a querer fazer (ler textos, ouvir música, editar vídeos, desenhar, etc), só poderá ser feito em serviços oferecidos na internet para tal fim.

Evidentemente, há uma lógica por trás disso. Ninguém vai usar um computador com tela de 9 polegadas para tarefas como editar vídeos, por exemplo. A tendência, e o Google quer reforçar isso, é de que os ultraportáteis sirvam apenas para o usuário checar compromissos, ler e-mail, marcar reuniões, trocar ideias com amigos on-line. Mas a tendência, com o Google Chrome, é que esta seja a única opção. Se você, por exemplo, estiver sem conexão com a internet, seu computador simplesmente não vai passar da tela de login. Ficar sem conexão será como ficar sem energia elétrica.

É a esta filosofia que o Google chama de navegação em nuvem. Tudo o que produzirmos não ficará armazenado em nossos computadores, mas sim numa nuvem de informações, a qual acessaremos de qualquer máquina sempre que precisarmos. E quem ganha com isso?

O Google, é claro. A empresa oferece tudo o que se pode imaginar na rede. Pelo conjunto de serviços que disponibiliza aos usuários (relembrando: Gmail, Orkut, Agenda, Maps, Picasa, Blogger, YouTube, Docs, Reader e Grupos), a gigante da rede tem arquivado em seus computadores informações sobre com quem trocamos e-mails, de quem somos amigos, quais nossas preferências, onde moramos, por onde andamos, quais ideias defendemos, por qual time torcemos, para qual partido votamos, o que gostamos de ler, ouvir, assistir. Com todas essas informações o Google comercializa publicidade direcionada (os famosos links patrocinados). Para os mais críticos, a prática nada mais é do que roubar e vender nossas almas ao sistema capitalista.

Bom, não vamos chegar a tanto. Mas é no mínimo muito bizarro pensar que uma empresa distribui um sistema que nos vincula obrigatoriamente a seus serviços e nós, voluntariamente, entregamos todos os nossos dados a ela. Por mais que o sistema será gratuito e de código aberto, o Google Chrome OS não tem nada de puritano. Imagine daqui a algumas décadas, caso a filosofia da navegação em nuvem vingue. Pense o poder de um empresa que passou quarenta, cinquenta anos catalogando tudo o que 2, 3 ou 4 bilhões de pessoas registraram da própria vida. Onde vai parar tudo isso?