Posts com Tag ‘cinema’

somos soma de caminhos feito a grãos...

Intervenção multi sensorial no coração do Vale do Anhangabaú da Feliz Cidade. Fotografia Marina Bitten

Androides Andróginos: Intervenção, vivência e performance!

O processo de 10 seres criadores exposto no Estúdio Lâmina

O título parece sugerir uma invasão alienígena, mas a banda que vai habitar por 40 dias o Estúdio Lâmina, no centro histórico de São Paulo, é composta por 10 seres criadores que juntos vão expor sua vivência e seu processo criativo em interação com o mundo. Observação, Intuição e interação. O imaginário compartilhado. Trata-se de uma exposição em movimento, começando e se transformando todos os dias, numa inauguração constante de 22 de março até o dia 30 de Abril.

A música deu origem a esse encontro repleto de trocas e potencialidades onde cada indivíduo se expressa num processo contínuo, cocriando assim, numa dança harmônica, a exposição Androides Andróginos. O visitante entra em conexão com o agora do processo de cada residente presente.

Os artistas vão expor seus processos como se estivessem num aquário, mas abrindo lacunas para interagir suas obras e ideias com as pessoas que constroem o centro de São Paulo. Essas pessoas serão convidadas a interagir em momentos pontuais do processo de criação e também durante as oficinas que serão propostas nesse período. O visitante vai se conectar, através de fones de ouvido e da observação. Outra forma de conexão com os Androides vai ser uma rede virtual, aberta ao público de qualquer lugar do mundo através de transmissão streaming, de áudio e vídeo.

Nessa vivência, cada um vai expor seu deserto e sua transformação como areia movediça, mostrando ao público que as sutilezas e fragilidades humanas podem e devem ser compartilhadas, afinal ” Todo ser é criador” !

Sobre o Estúdio Lâmina

O Estúdio Lâmina é um espaço de arte polimorfa e invenção em arte contemporânea situado em um prédio construído na década de 40, no centro histórico de São Paulo. Inaugurado em novembro de 2011 como casa-galeria, estúdio de criação e residência artística,o Lâmina tem como proposta ser um Espaço de Cultura Independente para estimular a pesquisa em artes, e divulgar o trabalho de novos artistas, criando um ambiente permanente de troca entre artes visuais, música, dança, circo contemporâneo, cinema, poesia, provocando novas narrativas para o debate de políticas públicas e culturais do centro e das margens de São Paulo.

Exposição Androides Andrógenos
De 22 de março a 30 de abril de 2014

Estúdio Lâmina
Av. São João, 108 – sala 41 – Centro Histórico – São Paulo/SP – facebook.com/estudiolamina

visitas, de terça a sábado, 11h às 17h
+55 11 3228 6815
+55 11 970 296 338

Comunicação Laminada
Jazz Mota
jessicamota@gmail.com
(11) 98206-4731

Anúncios

A banda Vaudeville disponibiliza seu novo álbum em mp3 para download no link a baixo. O álbum intitulado de Mecanismos Frouxos Funcionários trás musicas como Gerson, Axel Flag entre outras que a banda já vinha apresentando em seus últimos shows. A Vaudeville faz seu groove psicodélico e seu rock sessentista desde 2008 com seu primeiro álbum Absurdo Fantástico.
O disco trás 10 faixas inéditas compostas pela banda e gravado nos estúdios Cachoeira e nos estúdios da Cúpula que também é casa do guitarrista e fotografo Cisco Vasques em São Paulo.
A banda é formada por Tomás Oliveira nos vocais, baixos e pianos, Cisco Vasques nas guitarras, Axel Flag nos vocais, Marcio Sujeira na bateria e Pedro Pelotas hammond, clavinet e pianos.
O disco foi produzido por Gustavo Breier, que já trabalhou com Hermeto Pascoal, Artur de Faria entre outros e mixado por Jander Antunes.
Os gaúchos radicados em São Paulo prometem uma obra altamente viajante e envenenada, o disco será lançado para venda em formato de Vinil duplo em inicio de 2014.
A banda teve o cuidado de produzir um documentário cinematográfico do processo de gravação e também a cena, bandas e músicos que envolve o Mecanismos Frouxos Funcionários produzido de 2011 a 2013.
A capa foi clicada por cisco vasques, cena extraída do grupo de teatro Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz de Porto Alegre.

Documentário:
vimeo.com/77858360
Disco para donwload:
http://www.ciscovasques.com/cd/VaudevilleMecanismos.zip

Imagem

Parabenizar Carlos Eduardo de Aguiar, Hiro Kawahara e todos aqueles, que na fusão de sonhos clamam seu amor pelo cinema, superando todos os desafios ao longo de 3 anos para ver saindo do forno a lá pelicula do filme Delírios de um cinemaníaco, baseado na vida e na obra de José de Oliveira – Minhas memórias com meu Cinema.

Me indentifico muito com todo o processo de realização dessa obra. A primeira mais consistente, de muitas que virão.

Lembro do dia que recebi do Carlos uma DVD impresso em preto e branco. Dentro, 9 curtas em uma projeção que durou 93 minutos de pura tentativa, expressão de uma geração de cineastas independentes que aprendem o oficio fazendo. A série Sanca Vice #1 é a porta de entrada para um movimento que das entranhas e no desconforto de quem quer fazer, sabendo que uma hora tem de começar. Obras são feitas e refeitas. Pilotos abrem caminhos para uma estrada que tem como luz os sonhos queimando na lenha dos espíritos daqueles que sabem que a vida só é substancial se realizamos nossas aspirações, pirações.

Tem bastante material sobre o filme no site oficial, vale conferir

http://www.filmesparabailar.com/zepintor/

As outras produções da produtora Filmes Para Bailar você encontra aqui

Forte abraço e muito sucesso!

STORYLINE

A história de JOSÉ DE OLIVEIRA, uma pessoa que superou todos os obstáculos da vida em busca de seus sonhos e paixões.

SINOPSE LONGA

JOSÉ DE OLIVEIRA um homem de oitenta anos de idade está sozinho em sua casa apertada assistindo aos filmes que fez no passado. São jovens vestidos de cowboy lutando na beira de um lago. As imagens o emocionam fazendo recordar a história de sua vida.

JOSÉ DE OLIVEIRA agora é ZÉZINHO, uma criança de oito anos de idade, que desde cedo encarou a realidade vivendo o sofrimento da doença incurável de seu PAI, mas se divertindo com seus amigos e ajudando sua família com as sessões de cineminha de brinquedo.

O tempo passa e ZÉ se torna um adolescente que perde a mãe, e consequentemente toda a estrutura familiar. Ele precisa amadurecer, e encontra no amor por EDNA o combustível para seguir adiante. Ela é sua vizinha e planeja com ele uma fuga de trem, para deixar para traz aquela triste realidade. ZÉ não tem dinheiro e precisa comer, consegue um trabalho de faxineiro no cinema para se sustentar.  Tudo parecia voltar ao normal, mas o destino quis separar-los.

Ele agora está sozinho e precisa recomeçar a viver.

Muitos anos depois ele encontra a alegria vivendo o cinema! Fazendo filmes de ficção em 16mm, trabalhando como pintor de cartazes das grandes estrelas de Hollywood. Suas obras vão alimentando seus delírios e levando ele a viver o impossível! Fazer um cinema feito pelas pessoas ao seu redor para essas mesmas pessoas, marcando a história de suas vidas e de toda a cidade de São Carlos.

Mas o tempo teima em continuar e ZÉ fica velho, seus atores vão sumindo, sua câmera 16mm não serve mais, os cinemas da cidade faliram e ninguém precisa mais de um pintor de cartazes. Os momentos de alegria e felicidade ficaram apenas nas películas velhas que JOSÉ DE OLIVEIRA continua a assistir, com oitenta anos de idade, esperando que o destino lhe traga algo para ele viver mais uma vez, Delírios de um cinemaníaco.

e fez-se o grito.

            A organização do Grito Rock Belém informou oficialmente hoje que os shows do próximo dia 17 não mais acontecerão no Píer das Onze Janelas como estava previsto inicialmente. Para não promover riscos às estruturas das igrejas do entorno do projeto Feliz Luzitânia, a organização e a Secretaria de Estado de Cultura decidiram realocar o Grito Rock Belém para a Praça Dom Pedro II, entre o Museu do Estado e o Palácio Antonio Lemos, onde aconteceu a última edição do projeto Conexão Vivo na capital.
            Apesar dessa mudança o restante da programação permanece e até ganhou um dia extra de debates na Livraria Saraiva. E é importante frisar que a noite do dia 17 será aberta ao público. Baudelaires, Strobo, Projeto Secreto Macacos, Turbo, Molho Negro, Johny Rockstar [fazendo o lançamento virtual de seu aguardado disco novo], Delinquentes, Maquine, Juca Culatra e a internacionalmente famosa Gang do Eletro, tocarão nesse dia a partir das 15 horas.
            Entre um show e outro, haverá performances do Palco FdE com Romário Alves e Maha Mantra, exposição virtual de artistas plásticos na ExpoGrito, entre outras surpresas. Tudo com transmissão ao vivo pela Rádio e Portal Cultura FM. No mesmo dia 17, haverá ainda a já tradicional festa Doente do Pé, promovida pela Se Rasgum Produções, no Café com Arte, a partir das 23h, com a participação do pai do tecnobrega, Tony Brasil, e da banda amapaense Minibox Lunar.
            Mas a festa começa já na sexta-feira, 16 de março, com Félix e Los Carozos botando geral para dançar em um acasalamento sensorial coletivo no Palafita, em noite promovida pelo coletivo Black Soul Samba, a partir das 21h.
            No domingo, 18 de março, a produtora Xaninho Discos Falidos promete deixar a ressaca da noite anterior em casa e botar tudo na chón, a partir das 16h, no African Bar. Serão oito bandas, duas de fora do estado: o psychobilly curitibano d’As Diabatz junta-se ao metal macapaense da Amatribo e às bandas paraenses All Still Burns, A Red Nightmare, Tranze, Idílio, Vinil Laranja e Bruno BO [feat. Batalha de MC’s + DJ Morcegão + DJ Fantasma] para coroar a noite e o festival em Belém.
            Saraiva – No dia 15, no Espaço Benedito Nunes, da Livraria Saraiva (Shopping Boulevard), haverá a exibição do filme Bollywood Dreams, dirigido por Beatriz Seigner, com a atriz paraense Lorena Lobato no elenco, pelo Compacto.Cine, novo modelo de distribuição audiovisual proposto pelo Fora do Eixo. O Compacto.Cine também vai exibir o filme “Brega S/A”, de Gustavo Gondinho e Vladimir Cunha. Logo após haverá uma mesa com a participação do jornalista Lúcio Flávio Pinto. A programação na Saraiva começa às 10h com a Expo Grito e segue até a noite (confira a programação completa abaixo).
Na sexta-feira, 16 de março, a partir das 19h, o secretário de comunicação Ney Messias e os produtores Marcel Arêde e Caio Mota discutem O Futuro da Produção Cultural na Região Norte com Pablo Capilé, um dos principais articuladores do Fora do Eixo, em debate que será transmitido ao vivo pela Pós-TV Fora do Eixo através do endereço http://www.ustream.tv/user/pos-tv, direto do Estúdio Gotazkaen [Rua Ó de Almeida, 755, entre Tv. Piedade e Av. Assis de Vasconcelos].
Enquanto isso, às margens do Tapajós
            Além de Belém, o Grito Rock teve edições nos municípios de Marabá (09/03), Parauapebas (10/03), Tucuruí (11/03). Nos dias, 17 e 18 será a vez de Santarém receber a edição 2012 do maior festival integrado do mundo. No dia 17, a programação será no Espaço Alter do Chão, a partir das 20h, com entradas a R$ 5. As bandas The Littte Beach, Vinil 80, Octoplugs e Exxcalibur fazem a programação nesse dia. Já no dia 18, a programação será aberta ao público na Praça Mirante de Santarém, a partir das 18h30, com as bandas Darwin e Seus Pitecos, Professor Madragora, 16 Bits e Insdustrial Blame, além da belenense Turbo.
            União sócio-político-geográfica, união de estilos, ritmos, credos, crenças, parangolés e afins. Se no interior, o resultado é o esforço de quatro coletivos (Cafofo, Poeira, Cultura em Movimento e Mulama), só em Belém o número sobe para seis: Croatã Ghostwriting, Casarão Cultural Floresta Sonora, MúsicaParaense.Org, Black Soul Samba, Se Rasgum Produções e Xaninho Discos Falidos comandam la résistance. O evento conta ainda com o apoio da Fundação de Telecomunicações do Pará – FUNTELPA, Toque no Brasil – TnB, Ná Figueredo, Gotazkaen Studio, Garfo e Faca, Qualquer Quoletivo, Improvideo, Pizzup, Abelhuda, além de cobertura exclusiva do Pará Música.
            Um grito só – Desde 2002, quando foi idealizado em Cuiabá, o projeto é uma plataforma independente de circulação e uma alternativa cultural para o período de Carnaval. A previsão é que aproximadamente 250 mil pessoas participem do Grito Rock em todo o mundo. Reflexo da conexão com diversos países latinos em 2011, este ano, o Grito Rock se estabelece em 14 cidades estrangeiras. Vários representantes da América do Sul e Central participam do Festival: Costa Rica, Guatemala, Argentina, Bolívia, Colômbia, Chile, Honduras e Nicaragua.
            Em 2012, o número de edições fora do país supera as expectativas e alcança culturas diversas, através de brasileiros que realizam o evento em parceria com agentes locais, como na Cidade do México, Los Angeles e Braga [Portugal]. É a primeira vez que o Festival chega ao continente europeu e também ao México.
            Faça parte dessa festa intercontinental colaborativa você também. Fique por dentro de tudo que irá acontecer no Grito Rock Pará através de nossas mídias sociais:
SERVIÇO:
GRITO ROCK SANTARÉM
Sábado, 17/03
Espaço Alter do Chão
A partir das 20h
Bandas: The Littte Beach, Vinil 80, Octoplugs e Exxcalibur
Ingressos: R$ 5
Domingo 18/03
Praça Mirante de Santarém
A partir das 18h30
Banda: Darwin e Seus Pitecos, Professor Madragora, 16 Bits, Insdustrial Blame e Turbo.
Maiores informações: http://projetomulama.blogspot.com/
GRITO ROCK BELÉM
Quinta-feira, 15/03
Livraria Saraiva (Espaço Benedito Nunes)
10h – Expo Grito
15h – Pocket Show: Banda Turbo
15h30 – Compacto.Cine: “Brega S/A”, de Gustavo Godinho e Vladimir Cunha (PA)
17h – Mesa: “A Estética da Periferia”
Com: Vladimir Cunha, Lúcio Flávio Pinto e Waldo Squash
Mediação: Tylon Maués
18h30 – Pocket show: Banda Molho Negro
19h – Compacto.Cine: “Bollywood Dream”, de Beatriz Seigner (SP)
20h30 – Mesa: “O grito no cinema”
Com: Afonso Gallindo, Lucas Escócio, Jorane Castro e Mateus Moura
Mediação: Sissa de Assis
Sexta-feira, 16/03
Mesa: O Futuro da Produção Cultural na Região Norte
A partir das 19h @ Estúdio Gotazkaen
Rua Ó de Almeida, 755, entre Tv. Piedade e Av. Assis de Vasconcelos
Debatedores: Ney Messias, Pablo Capilé, Marcel Arêde e Ná Figueredo
ABERTO AO PÚBLICO
Sexta-feira, 16/03
Black Soul Samba
A partir das 21h @ Palafita
Banda: Félix e Los Carozos
Ingressos: R$ 10
Sábado, 17/03
Praça Dom Pedro II
A partir das 15h
Bandas: Baudelaires, Strobo, Projeto Secreto Macacos, Turbo, Molho Negro, Johny Rockstar, Delinquentes, Maquine, Juca Culatra e Gang do Eletro
ABERTO AO PÚBLICO
Sábado, 17/03
Doente do Pé
A partir das 23h @ Café com Arte
Bandas: Tony Brasil e Minibox Lunar [AP]
R$ 20 com fantasia e R$ 25 sem fantasia [até 00h00] | R$ 25,00 [após 00h00]
Domingo, 18/03
Xaninho Discos Falidos
A partir das 17h @ African bar
Bandas: As Diabatz [PR], Amatribo [AP], All Still Burns, A Red Nightmare, Tranze, Idílio, Vinil Laranja e Bruno BO
Aberto ao público até às 17h | R$ 15 depois das 17h

Acompanhe as novidades e ultimas informações naPage do Grito Belém

Festival Pan-amazônico de Cinema

03 a 07 novembro de 2010

Belém – Pará – Amazônia – Brasil

 Estão abertas as inscrições para a mostra competitiva do AMAZÔNIA DOC. 2010 – Festival Pan-amazônico  de Cinema. A Mostra Competitiva Pan-amazônica se propõe a mapear, exibir e divulgar trabalhos audiovisuais em variados formatos e durações, realizados nos últimos três anos (2008-2010). Este ano, serão aceitos documentários e ficções de longa, média e curta-metragem, em cinema e/ou vídeo, COM TEMA LIVRE. As inscrições estão abertas até 30 DE SETEMBRO DE 2010, no site www.amazoniadoc.com.

 

O Amazônia DOC. acontece anualmente em Belém do Pará e apresenta um panorama diversificado da produção audiovisual de países PAN-AMAZÔNICOS, com exibição de mostras de filmes clássicos e contemporâneos. Realizado pelo Instituto Culta da Amazônia, com patrocínio da Oi, por meio da Lei Semear de incentivo à cultura do Estado do Pará, e apoio da Oi Futuro e da Ecleteca Cultural, é também um espaço para a discussão de trabalhos que através do audiovisual constroem um diálogo com a vida social e a diversidade cultural.

 

O Amazônia DOC 2010 será realizado  no Cine Olympia, Cine Líbero Luxardo, e em espaços abertos da cidade, ampliando e diversificando seu público. Todas as atividades são gratuitas.

 

Amazonia Doc
Festival PanAmazônico de Cinema
www.amazoniadoc.com

amazoniadoc@gmail.com

<!– @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } A:link { so-language: zxx } –>

Terminada a 1° Mostra de Cinema Marajoara que aconteceu de 24 a 27 de abril de 2010 no município de Cachoeira do Arari (Marajó-Pará), cidade que originou-se da freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira do rio Arari, cidade onde viveu o
escritor Dalcídio Jurandir a qual homenageou com o livro Chove nos Campos de Cachoeira e que abriga o Museu do Marajó, fundado em 1972 pelo padre italiano naturalizado brasileiro Giovanni Gallo no galpão onde funcionava uma fábrica de óleo, nos faz refletir o verdadeiro sentimento que nos move enquanto seres, produtores, pesquisadores, cineclubistas, realizadores, seres humanos. Os Argonautas Ambientalistas da Amazônia tem o prazer de enviar os resultados obtidos na 1° Mostra de Cinema Marajoara que aconteceu em homenagem ao aniversário do Padre Giovanni Gallo, que este ano completaria 83 anos no dia 27/04 e principalmente aos cachoeirenses-marajoaras.

Apesar de todas as dificuldades surgidas na mostra, os Edu-Comunicadores oficineiros Argonautas Samir Raoni, Higor Tohany e Helton Almeida aportaram em Cachoeira do Arari com mais 10 arte-educadores, oficineiros de projetos e organizações que iam desenvolver uma gama de ações no município, mas infelizmente a maior parte deles foram apenas para a abertura do evento e retornaram logo no dia seguinte, inclusive o curador da Mostra, que também estava representando o Governo do Estado, que justificou que precisava retornar a Belém por motivos de trabalho. Com a Mostra sem curador, os amigos da Produtora LUX Eduardo, Paulo e Miranda tiveram que assumir o barco de realização da Mostra para não decepcionar o público, a nós mesmos.

A programação previa exibir obras raras como as de Líbero Luxardo “Marajó- Barreira do Mar” e o lançamento dos documentários “O Ajuntador de Cacos” de Paulo Miranda – Lux Amazônia (exibido), “Sou teu Maninho – Um grito Marajoara” de Daniel Corrêa (exibido), selecionado no Projeto Revelando os Brasis e “O Glorioso” (exibido), produzido pela Castanha Filmes, com direção, fotografia e edição de Gavin Andrews e que contou com a participação da equipe de pesquisadores do IPHAN. Os Argonautas escreveram na mostra três produções realizadas no Arquipélago marajoara, “Agentes de Memória em Rede”, “Vozes Jovens da Amazônia” e “Comunicação Comunitária Marajó”, que infelizmente não foram exibidos no dia que deveria porque a secretária de cultura emprestou o data-show para alguém que não devolveu o equipamento para a realização dessa etapa da mostra.

Além da exibição dos filmes da Mostra, os Argonautas realizaram uma caravana de inclusão digital com oficinas de web 20, web-ativismo-digital e oficina de Elaboração de Projetos Socioculturais envolvendo e empolgando mais de 150 jovens no total das atividades oferecidas pelos educadores, o que demonstra o potencial pedagógico que a internet tem como tecnologia. A web 2.0 como ferramenta pedagógica contribui para a construção de conceitos, estimulando os jovens a se tornarem protagonistas de suas realidades, contribuindo para a manifestação sociocultural e estimulando o desenvolvimento local. Nesse sentido que os oficineiros avaliam que apesar de várias coisas não terem saído do jeito que foi combinado coletivamente entre os parceiros envolvidos, julgam positivamente suas ações que teve a participação empolgante dos jovens da Escola Estadual Delgado Leão.

Esperamos que na próxima ação possamos estar mais harmonizados enquanto grupo, praticando a solidariedade, o compromisso e a verdadeira transformação.

Confira as Fotos da Roda de Conversa, oficina de Web 2.0, Web-Ativismo-Digital, Elaboração de Projetos Socioculturais e Entrega de Certificados, realizadas pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a Roda de Conversa realizada pelos oficineiros da ONG Argonautas com 56 alunos do 1°, 2° e 3° ano do ensino médio da Escola Professor Delgado Leão em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a Caravana de Inclusão Digital realizada pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a entrega dos Certificados da Caravana de Oficinas realizadas pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).



Terminada a 1° Mostra de Cinema Marajoara que aconteceu de 24 a 27 de abril de 2010 no município de Cachoeira do Arari (Marajó-Pará), cidade que originou-se da freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira do rio Arari, cidade onde viveu o
escritor Dalcídio Jurandir a qual homenageou com o livro Chove nos Campos de Cachoeira e que abriga o Museu do Marajó, fundado em 1972 pelo padre italiano naturalizado brasileiro Giovanni Gallo no galpão onde funcionava uma fábrica de óleo, nos faz refletir o verdadeiro sentimento que nos move enquanto seres, produtores, pesquisadores, cineclubistas, realizadores, seres humanos. Os Argonautas Ambientalistas da Amazônia tem o prazer de enviar os resultados obtidos na 1° Mostra de Cinema Marajoara que aconteceu em homenagem ao aniversário do Padre Giovanni Gallo, que este ano completaria 83 anos no dia 27/04 e principalmente aos cachoeirenses-marajoaras.

Apesar de todas as dificuldades surgidas na mostra, os Edu-Comunicadores oficineiros Argonautas Samir Raoni, Higor Tohany e Helton Almeida aportaram em Cachoeira do Arari com mais 10 arte-educadores, oficineiros de projetos e organizações que iam desenvolver uma gama de ações no município, mas infelizmente a maior parte deles foram apenas para a abertura do evento e retornaram logo no dia seguinte, inclusive o curador da Mostra, que também estava representando o Governo do Estado, que justificou que precisava retornar a Belém por motivos de trabalho. Com a Mostra sem curador, os amigos da Produtora LUX Eduardo, Paulo e Miranda tiveram que assumir o barco de realização da Mostra para não decepcionar o público, a nós mesmos.

A programação previa exibir obras raras como as de Líbero Luxardo “Marajó- Barreira do Mar” e o lançamento dos documentários “O Ajuntador de Cacos” de Paulo Miranda – Lux Amazônia (exibido), “Sou teu Maninho – Um grito Marajoara” de Daniel Corrêa (exibido), selecionado no Projeto Revelando os Brasis e “O Glorioso” (exibido), produzido pela Castanha Filmes, com direção, fotografia e edição de Gavin Andrews e que contou com a participação da equipe de pesquisadores do IPHAN. Os Argonautas escreveram na mostra três produções realizadas no Arquipélago marajoara, “Agentes de Memória em Rede”, “Vozes Jovens da Amazônia” e “Comunicação Comunitária Marajó”, que infelizmente não foram exibidos no dia que deveria porque a secretária de cultura emprestou o data-show para alguém que não devolveu o equipamento para a realização dessa etapa da mostra.

Além da exibição dos filmes da Mostra, os Argonautas realizaram uma caravana de inclusão digital com oficinas de web 20, web-ativismo-digital e oficina de Elaboração de Projetos Socioculturais envolvendo e empolgando mais de 150 jovens no total das atividades oferecidas pelos educadores, o que demonstra o potencial pedagógico que a internet tem como tecnologia. A web 2.0 como ferramenta pedagógica contribui para a construção de conceitos, estimulando os jovens a se tornarem protagonistas de suas realidades, contribuindo para a manifestação sociocultural e estimulando o desenvolvimento local. Nesse sentido que os oficineiros avaliam que apesar de várias coisas não terem saído do jeito que foi combinado coletivamente entre os parceiros envolvidos, julgam positivamente suas ações que teve a participação empolgante dos jovens da Escola Estadual Delgado Leão.

Esperamos que na próxima ação possamos estar mais harmonizados enquanto grupo, praticando a solidariedade, o compromisso e a verdadeira transformação.

Confira as Fotos da Roda de Conversa, oficina de Web 2.0, Web-Ativismo-Digital, Elaboração de Projetos Socioculturais e Entrega de Certificados, realizadas pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a Roda de Conversa realizada pelos oficineiros da ONG Argonautas com 56 alunos do 1°, 2° e 3° ano do ensino médio da Escola Professor Delgado Leão em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a Caravana de Inclusão Digital realizada pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Confira a entrega dos Certificados da Caravana de Oficinas realizadas pelos oficineiros da ONG Argonautas em Cachoeira do Arari (Marajó-Pará).

Narrativa para Cinema e Televisão – FICs

Publicado: 5 de fevereiro de 2010 em Artes Visuais
Tags:, , ,

Análise e teoria para escrita de roteiro e script doctoring

 O curso Narrativa para Cinema e Televisão é orientado pelo método da FICs (Fábrica de Ideias Cinemáticas) e tem como objetivo ensinar, exercitar e orientar o aluno nos fundamentos da dramaturgia e da narrativa.

Entre outros projetos, a FICs desenvolveu o universo e os roteiros do seriado da Fox 9 mm: São Paulo, com produção da MoonShot Pictures

Com aulas expositivas, leituras de textos, análise de filmes e debates, essenciais para o entendimento e fundamentais para aguçar a sensibilidade e capacidade analítica do aluno

O programa do curso compreende:

 a) aprendizado do repertório teórico, com conceitos sobre dramaturgia, narrativa e gêneros, com a leitura e discussão de textos de referência;

 b) passeio pelos mais importantes subgêneros, como policial, sci fi, comédia e sitcom, com abordagem tanto de filmes como de séries televisivas;

c) apresentação de repertório mais diretamente ligado à análise e escrita de roteiros, como curva dramática, tonalidade e procedimentos narrativos.

Mais Informações>>>